terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Quando querer vale mais do que poder



Winston Churchill




Quando o primeiro-ministro inglês Winston Churchill, saiu às ruas bombardeadas de Londres para pedir aos ingleses que defendessem o solo pátrio, a sua mensagem foi singela e sucinta: desejar o triunfo, ambicionar a glória, sonhar com o êxito, é o caminho correcto, mas, o que é verdadeiramente importante, o que realmente faz a diferença, é merecer a vitória, e esta só chega para aqueles que trabalham no duro e por muito tempo; para aqueles que estão dispostos a sacrificarem-se e a pagar um preço mais alto do que os outros.

Desde há muitos anos e baixo uma liderança forte, o FC PORTO construiu [e realizou] o sonho de ganhar títulos, de realizar projectos á altura da sua verdadeira dimensão, conseguir o que antes não passava disso mesmo: um sonho. Mas, e como também o disse Churchill, uma coisa é imaginar, planear, e outra muito diferente é merecer o triunfo, ser digno da conquista, porque nada de significativo, valioso ou único, é alcançado sem antes ter sido feito um esforço extraordinário.







Ninguém em Portugal tem exemplificado melhor esta premissa do que o FC PORTO. A explicação é fácil e breve: não há nenhum clube, neste país, que trabalhe de maneira tão árdua quanto o NOSSO. E o que me orgulha de sobremaneira, é que em todos estes anos nunca ninguém nos viu fazer as figuras tristes e decadentes, para não usar outro termo, como é apanágio dos nossos rivais, ora um, ora outro. O FC PORTO nunca usou o pretexto das desculpas esfarrapadas para deixar de fazer o que tem que ser feito.

A definição que NÓS, PORTISTAS, temos do êxito, é muito mais profunda do que o simples facto de ganharmos campeonatos, guia-nos uma missão superior e estamos comprometidos com os nossos ideais, de uma 
maneira irrefutável.



Outro “pormaior”, a NOSSA organização tem sido capaz de sobreviver aos êxitos. O segredo está em não alinharmos em conformismos, nunca pensarmos em deter-nos. Logo que um objectivo está consumado, instantaneamente, outro já está marcado, mais difícil e mais arriscado. A ambição de conquistar novos horizontes está muito para lá da dos nossos antagonistas. O pensamento está sempre virado para o futuro, saber qual a melhor forma de tomar o pulso aos novos tempos, saber que deixar de crescer é começar a decair.



Jorge Nuno Pinto da Costa



As vitórias não acontecem por mero acaso, não chegam por obra e graça de um qualquer direito divino ou como uma prenda da natureza. Os NOSSOS êxitos têm sido arduamente trabalhados e suados, havendo sobejas razões para que os PORTISTAS se sintam vaidosos com tudo o que o CLUBE lhes tem, digna e honradamente, proporcionado e que ninguém se esqueça pelo que temos passado nos últimos trinta anos.
Mais importante do que o próximo jogo, mais importante do que todo o folclore que está, desde há muito, montado à volta do "futuro" campeão, é essencial não perdermos a noção daquilo que somos e o que representamos para este enfezado, triste e, pelos vistos, moribundo país.





Não somos o que querem fazer crer. Somos o que eles gostariam de ser e não são.

Como diria Nietzsche: “Da escola de guerra da vida – o que não me mata, fortalece-me”








Por: Nirutam
Enviar um comentário
>