segunda-feira, 2 de março de 2015

FC Porto 3 - 0 Sporting - Muita qualidade


Era (mais) um jogo decisivo. Como serão todos até ao final. As circunstâncias assim o obrigam. Cada teste que surge está a ser superado.

O de ontem não era fácil. Não é uma equipa candidata ao título a que visitou o Dragão. Mas é uma equipa que ainda não tinha perdido nos 4 jogos que fizeram com o top-4 do campeonato. Contavam duas vitórias e 2 empates.

O Dragão encheu. Os adeptos acreditam e ontem mostraram-no. Sabem das dificuldades e contra o quê e contra quem lutamos. Mas a vontade de ganhar é cada vez maior. O Dragão é sempre um estádio lindo. Quando está repleto mais ainda.

Não houve grandes surpresas no onze de Lopetegui. Evandro, na ausência de Oliver é o substituto natural. O jogador com o perfil mais aproximado do menino que tem encantado. Podemos jogar como sempre jogamos.

Há sempre a dúvida dos extremos. Quem entrará de inicio? Também aqui Lopetegui acertou em cheio na escolha. Um hábito. No Bessa Hernâni e Quaresma. Ambos mostraram que foi uma escolha acertada. Ontem quem acompanharia Brahimi? Tello obviamente...

Todas as galas têm o seu ritmo próprio. Muitas vezes o início é o mais dificil.

Ontem era noite de gala e aconteceu o mesmo. Os primeiros minutos foram os mais complicados.

Talvez complicado não seja o adjectivo adequado. Porque o adversário nunca foi complicado. Mérito nosso. Foram sim os mais equilibrados. Nunca deixamos de estar com o jogo controlado. Mas ainda havia aquele nervoso miudinho que nos levou a falhar alguns passes. No inicio das jogadas pode ser perigoso. Maicon fez um assim, Marcano e Alex Sandro igual.

Calma! Não há porque haver nervosismo. Somos melhores, preparámo-nos melhor e queremos mais vencer.

Paulatinamente o nervosismo inicial foi passando.

O Porto começava a jogar onde queria, no meio campo ofensivo. Não surgiu uma placa de aluga-se ou vende-se no nosso meio campo. Se surgisse também ninguém notaria...

Herrera deu o primeiro aviso. Se entrasse era um golaço.

Já falamos aqui em galas. Esta semana aconteceu a gala dos Óscares. Tello e Jackson devem ser apreciadores da 7ª arte e resolveram homenagear movimentos do cinema.

Jackson dá numa mistura de Bruce Lee e da Academia de ballet Bolshoi. Tudo perfeito. Dominio de peito e, sempre equilibrado calcanhar elevado para Tello que ficou isolado. "Run Tello, run". O espanhol correu tanto como a personagem de Tom Hanks. As semelhanças ficam por aí. O nosso jogador não precisa que o mandem parar e largar a bola. Ele sabe quando e como o fazer. Correu à Speddy Gonzalez e soube ser mortífero como um sniper.

Golo!

Até ao intervalo mais do mesmo. Porto por cima e leão a parecer um gatinho inofensivo e tímido.

Recomeça o jogo e a nossa equipa melhor ainda. Pressão alta com o adversário a perder a bola logo na primeira fase de construção com os defesas. Jogo a toda a largura e a fazer movimentar o adversário. Muita posse mas sem descurar a profundidade.

Tello estava endiabrado e logo no recomeço assiste Jackson em zona frontal da área. Grande oportunidade. Jackson ainda rematou mas um defesa cortou para canto.

Jackson agradeceu o passe da melhor forma. Tello deixou-o isolado, Jackson ia deixar o nosso extremo isolado pela segunda vez. Bola nas costas de novo e Tello arranca de novo a toda a velocidade. Deve haver gente que foi multada que ia mais devagar...

Take 2 desta luta particular Tello / Rui Patricio. Novamente o nosso jogador saiu vitorioso. Golo!

Pelo que se via no relvado apenas uma dúvida resistia. Quantos seriam?

Lopetegui não baixa a guarda nem deixa que os jogadores o façam. sai Brahimi em noite desinspirada e entra Quaresma. Cédric, já amarelado, pensa que terá o nosso treinador contra ele. Nada, respondo eu. Apenas quer vencer e tu podias ser um dos elos mais fracos... Só não terminou em adeus porque o árbitro não quis...

Não foi só em termos ofensivos que o nosso técnico estava atento. Evandro, grande exibição mas a começar a mostrar um ou outro sinal de fadiga saiu. Entra Ruben Neves. Manter a consistência defensiva também era fundamental.

Já perto do final a cereja em cima do bolo. Herrera lança Tello para mais um sprint. Exactamente o mesmo estilo de jogada. Bola nas costas da defensiva contrária entre o defesa e o lateral para a entrada de Tello.

Take 3 da disputa particular entre Tello e Rui Patricio. 3ª vez que Tello batia o guardião contrário. KO.

Referimos que os 3 golos surgem de forma similar. Uma palavra para Bruno de Carvalho. Foi importante no jogo de ontem. O presidente que na época passada disse que os adversários tinham de dar mais luta. Obrigado pelo aviso. O presidente que quando lhe falaram de reforçar o sector defensivo da sua equipa falou em Tobias (e foi buscar Everton que não jogava há meses). Obrigado pelo Tobias. O presidente que no inicio da semana castigou Jefferson. Obrigado pelo Jonathan. Um visionário este homem.

Segue-se nova dura batalha. Sexta-feira um jogo muito complicado em Braga. Temos de continuar a vencer.

Análise individual:

Fabiano: Noite muito tranquila. Não efectuou uma defesa. Não teve de o fazer. Cruzamentos para a sua área também quase não aconteceram. Apenas podemos falar da forma como saiu a jogar. Preferencialmente curto como queremos. Se não dá, pontapé longo. É mais fácil dizer que avaliar correctamente. Fabiano esteve sempre correcto.

Danilo: Diz-se que estava limitado. Acredito. Mas acrescento que mesmo limitado fisicamente é de uma segurança extrema. Nani não se viu, Capel igual. Um luxo este lateral. Sem estar a 100% mete no bolso o jogador adversário mais perigoso. Voltou a sair tocado, agora com uma contusão na coxa.

Maicon: Falhou um passe no inicio. Esta é toda a critica que Maicon tem. Elogios são bastantes mais. Cortes in-extremis de categoria e com atenção. Pelo ar imbativel, mesmo com Slimani. Nada passou. Tem a confiança do técnico e a jogar assim terá sempre.

Marcano: Forma uma boa dupla com Maicon. Jogadores diferentes que se complementam bem. Tal como o companheiro de sector falhou um passe no inicio. Tal como o companheiro secou todo e qualquer perigo depois disso. Quase marcava de cabeça no final do jogo.

Alex Sandro: Fez uma das suas melhores exibições esta época. Também errou o seu passe. Mas esteve seguro defensivamente, nunca deixando Carrillo embalar nem receber a bola em condições. Nunca descurou o ataque e quer Brahimi quer Quaresma foram sempre bem apoiados. Parece estar a subir de forma e essa é uma excelente notícia.

Casemiro: Tem melhorado muito. Ontem foi um verdadeiro muro. Sempre bem posicionado, sempre a saber quando ir à bola e quando ficar. Quando vai à bola é para a ganhar. Foi inteligente até nas faltas que fez. Um exemplo disso é uma falta na 1ª parte a travar um raro contra-ataque. Se não a fizesse era uma jogada perigosa. Assim tudo tranquilo.

Herrera: Termina os jogos esgotado. Só isso é motivo de elogios. Um jogador profissional que dá sempre tudo. Antigamente chamava-se a isto um jogador com raça, um jogador à Porto. O mexicano é mais do que isso. Pressionou muito e bem. Recuperou bolas. Teve bons pormenores técnicos, até toques de calcanhar a iludir adversários. Esteve bem a distribuir jogo, procurando sempre dar a largura que queremos. Terminou com mais uma assistência para golo. Fundamental.

Evandro: Uma das maiores ovações da noite foi para ele. Justa diga-se. Formou uma boa dupla com Herrera, nunca deixou o meio campo do Sporting jogar. Foram inúmeras as bolas que Adrien, William carvalho e restantes jogadores recuados perderam. Não foi por acaso. Mesmo no período mais equilibrado da partida esteve bem. Tranquilidade e segurança com bola. Uma boa opção para os futuros embates.

Tello: marcar 3 golos num clássico não é para todos. Tello conseguiu por uma mistura de factores. Porque tem uma velocidade estonteante. Porque é muito bom neste estilo de movimentos e sabe quase sempre arrancar na altura certa. Porque ontem foi certeiro na finalização. Este último critério nem sempre se tem visto. Pessoalmente acho que mais por ansiedade que falta de qualidade.

Ontem Tello foi o finalizador mas não apenas isso. Foi um municiador de ataques. Deu um golo feito a Jackson por exemplo. Cruzou mais que qualquer outro.

Está ambientado à equipa e tem sido fundamental ultimamente. No bessa desbloqueou o jogo com 2 passes para golo. Ontem marcou todos.

Brahimi: Do mago argelino pode esperar-se sempre qualquer coisa. Pode estar apagado e num minuto resolve. Já aconteceu no passado. Ontem não foi o caso. Um par de fintas, um remate fraco e pouca objectividade com bola.

Parece em défice fisico quando comparado com os colegas.

Jackson: Já muitas vezes foi dito mas nunca é demais afirmá-lo. É um craque! O mesmo calcanhar que já serviu para marcar a Patricio, ontem assistiu Tello. Ele marca regularmente (ontem falhou), ele assisté, ele dá jogo aos companheiros, ele pressiona, ele está sempre presente. para ser uma exibição perfeita apenas faltou o golo. Em tudo o resto nota máxima.

A forma como domina uma bola deveria ser caso de estudo dos jovens aspirantes a avançados. Bola que lhe chegue tem sequência.


Quaresma: Tem feito bons jogos o nosso cigano. Ontem foi mais um desses. Entrou e deu profundidade à equipa. Foi no 1*1 quando a situação o pedia, passou quando era a melhor opção. Este Quaresma de ultimamente é o melhor Quaresma que temos oportunidade de ter. É mais importante para a equipa que alguma vez foi. Simplesmente porque o talento está ao serviço da equipa.

Ruben Neves: Entrou para o lugar de Evandro. Tem caracteristicas diferentes, logo o meio campo foi diferente. Joga mais próximo de Casemiro e dá sempre segurança. Tem detalhes deliciosos. Dois ficaram-me na retina. Uma bola no adversário e Ruben sempre à espreita. Na altura certa, carrinho a desarmar. Se tiverem oportunidade revejam o lance com os olhos nele. Segurou, aguentou e no momento certo desarmou. Outra com bola. Pressionado e simulação de corpo. Resultado: caminho livre para dar sequência à jogada.

Indi: Voltou ao relvado. Voltou para um lugar e função diferente, lateral direito. O jogo estava ganho mas Indi entrou como se estivesse 0 - 0. Concentrado, sem dar hipóteses aos extremos e ainda tentou apoiar o ataque.


Ficha de jogo:

FC Porto-sporting, 3-0
Primeira Liga, 23ª jornada
Domingo, 1 Março 2015 - 19:15
Estádio: Dragão, Porto
Assistência: 43.111 espectadores


Árbitro: Artur Soares Dias (Porto).
Assistentes: Bertino Miranda e Rui Licínio.
Quarto Árbitro: Luís Ferreira.

FC Porto: Fabiano, Danilo, Maicon, Marcano, Alex Sandro, Casemiro, Herrera, Evandro, Tello, Jackson Martínez, Brahimi. 
Suplentes: Helton, Martins Indi (84' Danilo), Rúben Neves (71' Evandro), Quintero, Quaresma (58' Brahimi), Hernâni, Gonçalo Paciência.
Treinador: Julen Lopetegui.

Sporting: Rui Patrício, Cédric, Paulo Oliveira, Tobias Figueiredo, Jonathan Silva, William Carvalho, Adrien Silva, João Mário, Carrillo, Montero, Nani.
Suplentes: Marcelo Boeck, André Martins (80' Carrillo), Slimani (61' Montero), Diego Capel (60' Adrien Silva), Miguel Lopes, Tanaka, Rosell.
Treinador: Marco Silva.

Ao intervalo: 1-0.
Marcadores: Tello (31', 58' e 83').
Disciplina: cartão amarelo a Jonathan Silva (54'), Danilo (62'), Nani (62'), Cédric (65'), Alex Sandro (90').




Por: Paulinho Santos










 


Enviar um comentário
>