domingo, 21 de setembro de 2014

Segunda liga: 8ª Jornada: Beira-Mar 0 - 2 FC Porto B; Equivocos e Kayembé

#FCPortoB #Kayembe


O FC Porto B parte para este jogo com uma “magnifica” assistência de cerca de 700 espectadores (mesmo com bilhetes gratuitos para sócios beira-marenses), tal como o último com o Oriental, reforçado com 7 jogadores do seu plantel principal, com o meio campo já estruturado de maneira condizente com o emblema que ostenta na camisola, abandonando - espera-se - de vez com um trio de médios todos eles de tracção atrás.

Com Campaña a 6, Tiago a 8 e Otávio a deambular pelo meio-campo ofensivo qual vagabundo com liberdade de movimentos procurando empurrar a equipa para a frente fruto da sua velocidade e virtuosismo.

Se o meio-campo parece já com o desenho ideal, o ataque com dois extremos abertos (Ricardo a dar profundidade e Kelvin a procurar com a sua magia movimentos mais interiores). O problema apresenta-se agora no centro do ataque. Ivo Rodrigues não é um ponta de lança, é um extremo de grande qualidade mas nunca um numero 9, e esta equipa sente a falta de um avançado que dê profundidade e seja referência na área, que goste de pisar aquela zona negra entre os centrais. Este plantel tem André Silva (ainda agora estrela no recente campeonato da Europa) e Djim, não se compreendendo - com a lesão de Gonçalo - a opção por Ivo Rodrigues, pese embora a sua valia, no centro do terreno um peixinho fora de água.

No que ao jogo jogado diz respeito, ele começou lento mas por volta dos 15 minutos o FC Porto B face ao ascendente em parte consentido pelos aveirenses meteu mais velocidade e conseguiu criar algumas oportunidades, mormente entre os minutos 14 e 24 com remates de Campaña, Kelvin e Tiago Rodrigues a levar perigo para a baliza Aveirense. 

O Beira-mar apresentou-se em jogo com bloco baixo esperando pela equipa do Porto no seu meio-campo e procurando jogar no erro do adversário, nunca conseguindo em bola corrida acercar-se da área azul e branca com perigo, a não ser em lances de bola parada. 

Acaba a primeira metade do jogo com um futebol pastoso, previsível por parte da equipa Portista (a única mesmo assim preocupada em jogar), com pouca velocidade, muita troca de bola no pé, mas pouco jogo flanqueado e sem variação entre alas a procurar a velocidade (que falta fazia a mota que se viu na bancada ao intervalo), não estranhando o nulo no marcador para ambos os lados.

Para a segunda metade o Beira-mar entra mais forte, mais rápido e com Dieguinho em grande destaque, criando a primeira oportunidade aos 49´- claro está de bola parada – levando perigo à baliza de Ricardo. O FC Porto teimava em jogar aquele futebol de passeio em manhã de domingo, até daria para levar a família a contemplar o colorido das bancadas vazias e a obra de Tomás Taveira.

Aos 57 minutos Luís Castro procede à primeira substituição, em meu entender mais um equivoco dos que Luís Castro começa a ser useiro e vezeiro, sai Opare para a entrada de Fred, com isso desce Ricardo, o melhor extremo, para a posição de lateral direito, e Fred - um jogador de discutível valor para compor este plantel - para a posição de extremo, Djim continua no banco, Ivo amarrado entre os centrais, e o Beira-mar continua a criar perigo…

Aos 75´ nova substituição na equipa Portista, baralha e volta a dar, entra David Bruno para a posição de defesa esquerdo e sobe um já cansado Kayembe para extremo, continua a subtrair Luís Castro cujo objetivo deveria ser empurrar para a frente com homens frescos que tem no banco.

E é assim em grande parte a segunda metade, o Beira-mar a crescer e o FC Porto envergonhado a jogar mais lento, com menos ideias, com um Tiago Rodrigues alheado do jogo e uma equipa técnica que procura remendar com defesas em vez de investir no meio-campo ou ataque.

Aos 87 minutos – o momento do jogo -  fruto de jogada individual de Kayembe extremo, surge o golo, força e explosão a passar por dois adversários e a rematar para a baliza sem hipóteses para Márcio, algo que nunca se viu durante o jogo no Kayembe defesa esquerdo. Um golaço!!

E como quem conta um conta dois, Fred aos 93 excelentemente servido por Kayembe extremo marca outro golaço,  ao surgir isolado frente ao guarda-redes.

Acaba a partida com uma vitória caída do céu, mesmo com o resultado em 2-0. Vitória da eficácia em mais um jogo fraco desta equipa B, em que se começa a perder o hábito de jogar para ganhar, para jogar com medo de não perder. É certo que Luís Castro tem como principal missão fazer evoluir jogadores e cumprir ordens do treinador principal da equipa A. Bem sei que neste projecto o mais importante não é vencer, mas formar, embora vencer formando seja o ideal. E para começo após duas vitórias seguidas e muito pouco futebol, nada melhor que repensar ideias e estratégias, começando por distinguir claramente o que serve e não serve entre tácticas e jogadores (alguns sem categoria óbvia para integrar ou vestir uma camisola do FC Porto . Hoje correu bem e a vitória foi alcançada, mesmo que caída do céu e um tanto imerecida, e amanhã?



Analises individuais:

Ricardo: Na primeira metade nada teve que fazer, na segunda demonstrou que a experiência é um posto, nunca tremeu, pese embora o trabalho que teve, principalmente em lances de bola parada.

Opare: Dieguinho deu-lhe que fazer nomeadamente na segunda metade, alguns erros a defender e algum alheamento do jogo, se a defender cometeu erros de posição, a atacar mal se viu. Muito pouco para o rótulo que traz, ser cliente constante do departamento médico não é virtude.

Reyes: Seguro, o Patrão da defesa, bem a compensar os laterais, viu um amarelo numa situação dessas em que demonstrou grande maturidade a proteger o colega de sector já antes amarelado.

Lich: Algo lento e permissível em lances em velocidade, excessivamente faltoso, tem muito que crescer e evoluir para demonstrar ser - como estrangeiro - uma mais-valia para o campeonato português, mesmo o secundário.

Kayembe: O salvador! É lateral ou extremo? A defender esteve bem e deu poucos espaços, a atacar não deu a profundidade (tirando os últimos minutos já como extremo) que se lhe é reconhecida saber dar. Tem condição física para fazer a posição, é veloz e explosivo, mas tem a escola de extremo, uma decisão táctica de difícil prognóstico. Que não se destrua um bom extremo por um mediano defesa. Razoável jogo do Kayembe defesa, melhor em campo e excelentes minutos do Kayembe extremo.

Campaña: Inteligente, sempre uma fração de segundo adiantado em relação aos adversários e até aos colegas de equipa. Joga fácil e seguro, o mais esclarecido da equipa azul e branca e por consequência o melhor. É o marcador oficial dos lances de bola parada.

Tiago Rodrigues: Lento, pouco intenso em jogo, tem que mostrar mais vontade e garra, senão o seu espelho joga na equipa contrária e chama-se Edu. Abre os olhos!

Otávio: Velocidade e raça, mas pouca clarividência, quando se corre mais do que a equipa tem vontade de correr torna-se complicado, é um F1 em hora de ponta. 

Ivo: É um extremo a jogar a PL. De um extremo não se pode exigir rotinas na posição. É um equívoco técnico do qual será o menos culpado. O seu lugar é na ala, e na ala para onde foge sempre que pode é craque.

Kelvin: Tem magia no corpo e nos pés, se eu me chamasse Kelvin e jogasse no FC porto era um jogador triste e desmotivado, acredito que o mesmo se passe com este Kelvin. Quem é mágico e não está alegre, pese embora os fogachos aqui e ali, nunca conseguirá mostrar ao público todos os truques, o corpo quer mas a cabeça não deixa.

Ricardo Pereira: Pouco em jogo e pouco solicitado como extremo, a garra do costume como lateral, Dieguinho continuou a fazer mossa.


Fred: Marca um golaço!! Não estava a ser  propriamente um jogador esclarecido, não pretendendo ser mauzinho mas tem que provar mais. É bom rapaz, mas ser bom rapaz não chega. Estava no sitio certo na hora certa, Kayembe deu-lhe a oportunidade de brilhar - e brilhou!

David Bruno: Equilibrou a equipa, mas está - como tem sido norma - muito apático sempre que entra em jogo, mais garra miúdo!



FICHA DE JOGO

Beira-Mar-FC Porto B, 0-2
Segunda Liga, oitava jornada
21 de Setembro de 2014
Estádio Municipal de Aveiro

Árbitro: Sérgio Piscarreta (Algarve)
Assistentes: Filipe Pereira e João Ribeiro
Quarto árbitro: Nuno Almeida

BEIRA-MAR: Márcio; Pedro Moreira, Fábio Santos, Alan Henrique e Vítor Vinha: Alan Mota, Edu, Billal e Rafael Assis; Dieguinho e Nádson
Substituições: Pedro Moreira por Anderson (intervalo), Edu por André Sousa (68m) e Nádson por Edivândio (79m)
Não utilizados: Erielto, Baldé, Edema e Diego
Treinador: Jorge Neves

FC PORTO B: Ricardo Nunes; Opare, Igor Lichnovsky, Reyes e Kayembe; Campaña, Tiago Rodrigues e Otávio; Ricardo, Ivo Rodrigues e Kelvin
Substituições: Opare por Frédéric (58m), Kelvin por David Bruno (76m) e Tiago Rodrigues por Leandro (80m)
Não utilizados: Kadú, Francisco Ramos, Graça e Célestin
Treinador: Luís Castro

Ao intervalo: 0-0
Marcadores: Kayembe (87m) e Frédéric (90m+3)

Disciplina: cartão amarelo a Campaña (18m), Billal (25m), Fábio Santos (35m), Opare (38m), Igor Lichnovsky (48m), Dieguinho (53m), Reyes (71m) e Ivo Rodrigues (74m)


Por: Rabah Madjer
Enviar um comentário
>