sexta-feira, 18 de maio de 2012

OUTROS TEMPOS, OUTRAS VITÓRIAS, OUTROS HERÓIS: Quem foram os atletas (68!) jogadores que contribuíram para o PENTA? Os Defesas.


Os Defesas:


JOÃO PINTO
























Tempo útil: 4610’ - Jogos: 56 - Épocas: 94/95, 95/96 e 96/97 - Golos: 0
Depois da conquista do TRI, viu o TETRA da bancada, pois já era treinador da equipa de juniores, mas o seu nome estará sempre associado à história do FC Porto, clube a que se encontra ligado há mais de vinte anos. Esteve sempre nos grandes momentos do futebol Portista: na final da Taça dos Campeões Europeus como capitão em Viena (1987), na vitória da Taça Intercontinental, em Tóquio, como titular (1988), e nos dois jogos da Supertaça Europeia (contra o Ajax, em 1988). O seu palmarés interno é igualmente impressionante: 9 campeonatos, Taças de Portugal e 6 Supertaças. É (era) o mais internacional jogador português. Mais de 400 jogos ao serviço do FC Porto.



BUTOROVIC


Tempo útil: 514’ - Jogos: 9 - Épocas: 96/97 e 97/98 - Golos: 0
O croata que o FC Porto foi contratar ao Hajduk Split, decorria a temporada de 1996/97, não estabilizou na equipa. Na época de estreia fez apenas 3 jogos e na seguinte assinou o livro de presenças por seis vezes. A sua velocidade e o seu remate – pormenores que revelou ao serviço do Split – não chegaram a ter confirmação ao serviço dos Dragões. Mudou-se para o Vitesse, da Holanda.



BANDEIRINHA























Tempo útil: 205’ - Jogos: 3 - Épocas: 94/95 e 95/96 - Golos: 0
Em duas épocas, jogou duas vezes em 1994/95 e foi suplente utilizado num jogo da temporada seguinte. O seu nome fica ligado ao clube, sobretudo, por feitos anteriores.


RUI ÓSCAR

Tempo útil: 22’ - Jogos: 1 - Épocas: 96/97 - Golos: 0
Integrou o plantel na época de 1996/97 e jogou apenas 22 minutos, frente ao Salgueiros.


NEVES

Tempo útil: 345’ - Jogos: 5 - Épocas: 97/98 - Golos: 0
Utilizado em cinco jogos em 1997/98, voltou a não conseguir impor-se no FC Porto. Tendo dado nas vistas na condição de emprestado – Belenenses e Marítimo – nunca conseguiu impor-se nas Antas, mudando-se, já no decorrer da presente temporada (97/98), para Chaves.


JOSÉ CARLOS

















Tempo útil: 3253’ - Jogos: 36 - Épocas: 94/95 e 95/96 - Golos: 8
Fez em 1994/95, com Bobby Robson a treinador, a sua melhor época, participando em 28 jogos e marcando 8 golos. Jogador duro e com um remate muito forte, o central brasileiro transferiu-se, depois, para o Marítimo.


MATIAS
























Tempo útil: 278’ - Jogos: 4 - Épocas: 95/96 - Golos: 0
Em 1995/96, com problemas no eixo central da defesa, os responsáveis Portistas encontraram em Matias, que jogava então no Leça, uma solução temporária. Fez 4 jogos - 3 como titular - , ligando assim o nome à conquista do histórico PENTA.


LULA
























Tempo útil: 682’ - Jogos: 9 - Épocas: 96/97 e 97/98 - Golos: 0
A sua passagem pelo FC Porto não foi muito feliz. As lesões, quase todas de recuperação demorada, obstaram a uma presença mais regular na equipa. Na época de 1996/97 esteve presente em quatro jogos, e foi um dos que tiveram o privilégio de jogar e vencer o Milan, em San Siro. Em 1997/98, foi utilizado em quatro partidas, regressando ao Brasil no final da temporada.


GASPAR



















Tempo útil: 981’ - Jogos: 9 - Épocas: 97/98 - Golos: 1
Um dos reforços da época de 1997/98, o ex-central do V. Setúbal participou em 8 jogos (marcou um golo, no Bessa) e bisou no triunfo (muito difícil) do FC Porto, na Maia, num jogo da Taça de Portugal. Não foi incluído nos planos de Fernando Santos, sendo emprestado ao Leça.


DIAZ






















Tempo útil: 12’ - Jogos: 1 - Épocas: 96/97 - Golos: 0
Tal como muitos outros que estiveram a trabalhar nas Antas, nestes cinco campeonatos, o uruguaio não foi feliz. Levou a faixa para casa pela meia dúzia de minutos que esteve em campo no último jogo dos Portistas no campeonato do TRI (em Braga).


RUI JORGE



















Tempo útil: 4306’ - Jogos: 54 - Épocas: 94/95 a 97/98 - Golos: 2
Era, há um ano (1998), um dos mais emblemáticos jogadores do FC Porto, clube que serviu 16 anos. Influente peça no balneário e na orgânica do grupo de trabalho, Rui Jorge, na temporada passada (1997/98), a da despedida do clube, não atingiu um nível consentâneo com o seu passado. Presente em apenas 6 jogos, não teve oportunidades suficientes para recuperar um lugar que foi seu durante épocas e mudou-se para o Sporting.


KENEDY


Tempo útil: 679’ - Jogos: 9 - Épocas: 97/98 - Golos: 0
Uma das surpresas do início de 1997/98. Poucos imaginariam a sua contratação atendendo à época regular que tinha feito ao serviço dos franceses do Paris Saint-Germain. A par do marroquino Chippo constituiu uma das novidades – sempre habituais nos mandatos de Pinto da Costa – na megafesta de apresentação do plantel aos sócios na noite de 2 de Agosto, de 1997. Depois de ter estado, até bem perto do final da época, na prateleira, Kenedy mostrou-se na ponta final, mas nem por isso deixou de estar incluído na lista das dispensas, demorando a encontrar um novo clube. Passou pela II Divisão espanhola (Albacete) e regressou a Portugal, a convite do Estrela da Amadora.


Por: Nirutam
Enviar um comentário
>