quarta-feira, 2 de setembro de 2015

TRETAS


Não foi o Rei Midas
Valer-se ao mercado,
E no toque dourado
Ganhou novas dívidas…

E nada vendeu
Que fosse sonante!
Ele qu’é um gigante
Tornou-se pigmeu….

Há anos que tenta
Vender o Gaitán…
O eterno “titã”
Qu’a Bola inventa!

É só propaganda
Em vez de graveto…
O Rei é um mito
Na sua demanda!

E cem mil sócios
Não pagam quotas?
São quantas derrotas
Em novos negócios?

Voaram os Euros
Deste patrocínio?
Lá vem o declínio
Em tantos “tesouros”…

A fuga-pr’a-frente
Tem nome: Academia!
De barriga vazia
Tudo é eloquente!!

Não sobr’a verba
No fecho do Banco,
E há outro tanto
Na sua reserva…

E deste sintoma
Rest’o Eliseu!!
Se quem o escolheu
Já ganha outra soma!

E do outro lado
Tod’um corredor!
É um passador
Pr’o caldo entornado…

E o que dizer
Do qu’está no centro?
Está lá um portento
Que teima em “correr”…

A decrepitude
Com rosto jovial…
E só em Portugal
O benfica é saúde!

De tanta história,
De tanta grandeza…
Só rest’a riqueza
Da aposentadoria…

Não cheg’o Pereira
Pr’a esta equipa!
Que nisso é rica,
Nessa roubalheira…

E mais qu’o toque
Não do Midas, do apito,
Pr’a quem segue aflito…
Não chega o stock!!

Pois tem-se o Capela,
O Mota, o Ferreira,
Da mesma maneira?
Não chega, à cautela…

Faltam os milhões
Do que se não vendeu,
E do que se perdeu
Nos “camiões”…

Um santo negócio
C’o toque de Midas!
E as gramas perdidas
No carro do sócio…

Que sendo da empresa,
Reverteu par’o Estado…
E o prejuízo acumulado
A título de despesa?!…

De representação
Do ex-funcionário…
Actual presidiário
Da “instituição”!

E a porta dos VIP
Que fica sem gente,
Assim de repetente…
E o apoio da equipe???

Quem vai apoiar
Pois, o jogador,
S’o ex-director
Nem pode guiar?

Sendo motorista
Ficou sem licença,
E espera sentença
Por ser “camionista”!

Perderam-se quilos
Ali na A1,
E não sobra nenhum
Pr’a comprar sigilos!?

Ai, ai o Rei Midas
Que perdeu o toque,
E lá vai a reboque
De vitórias sofridas…

E nisso é enorme,
Pois têm milhões,
Doutras gerações,
Do tempo da fome…

Quand’o benfica
Er’a “instituição”
Da “Santa Nação”
Qu’o beatifica…

E ser do “glorioso”
Torna-nos impunes!
E somos imunes
Ao acto culposo!

Noutra latitude
A cena da “branca”…
Dava portas à tranca,
E fecho do clube!

E a presunção
Da dita inocência
Só tinha carência
Até à publicação!

Pois os Correios,
As Bolas, Recordes,
Já tinham acordes…
Pr’a libertar os freios!

E ainda irem a tempo
De publicar um livro,
Rodar um filme “antigo”
Só como passatempo!

Recrutar a testemunha,
A mais “fidedigna”,
Pr’a dizer qu’a “menina”
Fugira pr’a Corunha…

E assim montar cenário
Pr’a lá provar o dolo…
Pois o seu consolo
É o fado Hilário!!

Uma cena de Midas
C’o toque d’ouro,
Pois é mau agouro
Serem absolvidas…

No Reino do Midas
Vendem-se promessas,
Que são às remessas…
E tão conhecidas!!

Mas sem a nota
Para disfarçar…
Não dá pr’a ganhar,
Mesmo com batota!

Daí a propaganda
Do que lá se compra,
Pois é grand’a montra,
E o mercado manda!!

Pois qu’esse outro
Lá vendeu milhões,
Que sendo de “Dragões”
O ouro é pouco…

Se fossem “Cavaleiros”
Era um reluzir…
D’ouro por vir,
Nos próximos relatórios!

Com’os que hão-de vir
Por estes empréstimos
Que serão enésimos
Até o John sair…

Que c’o Oliveira
A maior promessa!
Vão jogar à terça,
Na divisão “cimeira”…

Daí qu’o Corona
Se revele um choque,
E s’ao primeiro toque
Já valeu a soma?

E depois sair
Já pelo seu triplo,
Sem o toque do tipo
Que por Rei faz rir?

Tanta preocupação
Ontem nos directos…
Estavam circunspectos
Em tanta estação!

A coisa está preta,
Já se foi a “branca”,
E s’o Midas não banca
O toque é treta…


Por: Joker
Enviar um comentário
>