terça-feira, 8 de setembro de 2015

Toque de M(é)dias



O bom vendedor
Não é pois quem vende,
É quem mais surpreende
Como promissor!

E em tais propostas
Nega-as por curtas!
Qu’as vendas estão certas,
Nas novas apostas!

E vender promessas
Por esses valores?
Que são os melhores
Vistos às travessas!

Ter o italiano
Que não joga nada…
Que a si se paga
Tão só neste ano?

Por vinte milhões
Queria-o a Roma!?
Mas é parca soma
Pr’a estes glutões!

Veja-s’o Cavaleiro
Que saiu por muito!
Mas nesse intuito
O valor é feio…

Dizem os franceses
Que foi só por três!?
É vendê-lo outra vez
A esses fregueses!

E com’o Roberto
Uma tripla venda,
Para que s’aprenda
O valor correcto!!

Queriam o Guedes?
Também só por vinte!
Pois qu’isto é acinte
Dizer “hádes, hádes”!

E o bom do Nico
Não saiu porquê?
Porque não há quem dê
Menos qu’o seu triplo?

E s’até ao Jonas
S’elevou a cláusula,
Porque quem lhe pega
Paga mais nas retomas…

E s’até o Lima
Só saiu por sete,
Foi porque s’investe
Em promessa plena…

Pois c’o esse guito
Veio o Raúl,
C’o laçarote azul
Em embrulho bonito!

Mas se por metade
E se nem chegou…
O Mendes amortizou
O valor na SAD…

E em tantas vendas
Em páginas a soldo,
Se virmos o bolo…
Sobram as emendas!!

Sim, qu’é tudo lucro
Nas vendas etéreas,
E em propostas sérias
O valor é bruto!!

É tudo certezas
De chorudos negócios!
E os pasquins são sócios
Em notícias “tesas”…

Qu’o desejo é farto
De muito lucrar…
Mas por s’apurar,
Nem um só lagarto?

Nada pois vendido
Lá por Alvalade…
Tanta mocidade
E nem um só crescido?

Um negócio visto
Como peixe graúdo!
C’o país está mudo
No qu’o Porto é disto!

Mais de cem milhões
De vendas “fictícias”,
Que mal dão notícias
Nessas comparações…

Pois no que comprou
Investiu a rodos!
E só com maus modos,
É que muito lucrou…

E por comparação
Mais vale a promessa,
Que vender “à pressa”
“Sem lucro” na mão!

E vender da equipa,
Sete jogadores!?
Muitos promissores…
Na casa dos trinta?!

É pois preferível,
Anunciar a venda,
Sem que dessa encomenda
Haja um transferível??

Tanta “Literatura”
Em ditos “jornais…
São todos iguais,
Só muda a “moldura”!

Dizem-se vanguarda,
Bíblias do desporto,
E o país está morto
S’a “imprensa” salva…

Como pois viver,
No meio da mentira,
Pr’a fingir cultura
Neste ensandecer?

Quem pois acredita
Na democracia,
Se é este a via
De quem “a” publica?

Há nisto a lógica
Da pura verdade?
É esta a sociedade
Que transport’a ética?

Pr’a vender jornais
Tudo lá s’inventa…
E o povo aguenta
Pois disso quer mais!?

Há qu’alimentar
O sonho incessante,
Qu’até do Cristante
Se pode lucrar?

É disto que gosta
O meu povo ignaro:
Qu’o valor é caro
Mas de grande aposta…

E que vai lucrar
Pois milhões a eito,
E o negócio está feito!!
É só publicar!!?

Por: Joker
Enviar um comentário
>