sábado, 12 de setembro de 2015

Juízo!



Só gera riqueza,
A SAD alfacinha!
Quisera-a por minha
Em tanta certeza…
Que só gera lucro
Nas suas contas!
Perdidas as montras,
E o Euro p’lo Escudo!?

E que capitais,
Que são positivos!
Não estavam perdidos,
Dizem os jornais…
Só vinte milhões,
Que faltam na rúbrica,
Qu’a audiência pública
Não terá penalizações!

É tido por seguro,
Vencer-se o processo!
Como estava em anexo,
O dinheiro futuro…
Que perdido em Moscovo
Não deixa pois mossa,
Pois há mais quem possa
C’o dinheiro do “povo”…

Que vindo do BES
Em trajecto d’Angola,
Pr’o mundo da bola!
É jogado c’os pés!?
E reinvestido
Num clube d’élite,
Não há pois “clubite”,
No Sobrinho envolvido…

De forma directa
Tal não s’investiu!
E o relatório previu
A entrada “correcta”!
Daí o resultado,
Que resulta em vinte!
E que só por acinte
O Sobrinho é achado!

E tudo auditado,
Por casas de respeito!
Pois valeu-se o direito
Por se ter perdoado…
O dinheiro em dívida
A tod’a essa banca,
Que lhes rest’a esperança
Pr’a lhes ser devolvida…

E da conversão
S’opera o milagre!
Qu’isto de quem sabe
É o “rugir do leão”…
Pois qu’essa dívida
Convertida em capital,
Apenas social…
Já se tem por perdida!

Tod’um artefacto
Esta reestruturação!
Que só sendo campeão
Gerará resultado…
Daí o desespero
Em financiar-se Jesus,
Que de lá venh’a luz
Onde falta o Euro…

E por pura cosmética
S’omitem previsões,
Que doutras transações
Com ausência d’ética,
Resultará em prejuízo
Que não sendo “previsto”,
Só se têm por revisto
Por sentença em Juízo!

Por: Joker
Enviar um comentário
>