segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Recandidatura e afins

#FCPorto #PintodaCosta #Benfica #Andor #BluePunisher


Ao que tudo indica o atual presidente do FC Porto, Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa irá recandidatar-se à presidência do Clube em 2015. Pelo seu percurso aos comandos do Clube ao longo de todos estes anos, e por aparentemente não existirem adversários credíveis à sua recandidatura, é mais que provável a sua reeleição.
Após o famigerado “processo apito dourado” com o clima de terror instalado sobre os árbitros e a mensagem “subliminar” que foi sendo passada, estes na dúvida e mesmo na certeza começaram a apitar duma forma muito peculiar. 

Quem assistiu a jogos de futebol após o processo judicial acima citado ficou com a estranha sensação que tínhamos recuado no tempo várias décadas. Voltou o tempo em que o clube do regime, que eu gosto de designar por “colo colo de Carnide” tem de ganhar “à força”, por “decreto”, porque sim! 

Entretanto os dirigentes do FC Porto optaram por remeter-se ao silêncio, que lhes foi fatal, ou melhor acabou por ser fatal para o Clube, no que diz respeito às arbitragens em provas nacionais. Se esse silêncio foi forçado, negociado, acordado ou parte da estratégia de defesa nunca foi esclarecido.

Na dúvida os árbitros acharam melhor “salvaguardar-se” decidindo sempre contra o FC Porto e mesmo “na certeza” optaram pela mesma atitude. Quando escrevo “na certeza”, tratam-se daqueles lances em que na gíria futebolística é comum dizer-se “o árbitro não marcou porque não quis”, uma vez que o lance aconteceu “debaixo das suas barbas”.
Fim-de-semana após fim-de-semana o FC Porto foi sendo prejudicado, e o colo colo de Carnide beneficiado, curiosamente a atual época futebolística tem sido disso um espelho, e a atitude de silêncio dos dirigentes Portistas foi-se mantendo. 

Talvez por não existir reação Portista (a nível diretivo) os árbitros sentiram-se cada vez mais “à vontade” para prosseguir com a “agenda” que “alguém” lhes deu. E o mais impressionante é que este “novo fenómeno” não é exclusivo do futebol, também tem sido observado nas modalidades ditas amadoras.

E no futebol até às camadas jovens chega. Está bem fresco um exemplo recente, com o jogo entre o colo colo de Carnide B e o FC Porto B. Até quando os dirigentes da SAD do FC Porto vão manter o silêncio?

O que é que esta ladainha sobre o estado das arbitragens em competições nacionais tem a ver com a recandidatura do nosso Presidente? É simples, há muito tempo que é evidente por parte da FC Porto SAD uma atitude de apatia, silêncio (forçado?), indiferença e quiçá impotência para mudar o que quer que seja relativamente ao estado a que chegaram as arbitragens no desporto nacional. 

Sendo o Presidente do FC Porto a principal figura do Clube, e tendo evidenciado ultimamente este comportamento que não está em conformidade ao que nos habituou no passado, em que assumia a postura de guerreiro que nunca se dava por vencido, leva-me a questionar que Presidente e Presidência teremos numa eventual reeleição. 

Pinto da Costa “transformava” as perseguições e tentativas de derrubar o Clube, em doses de motivação extra para combater os conspiradores, como que num passe de mágica, a mensagem propagava-se pela hierarquia e pela estrutura e era assimilada de forma eficaz pelos atletas que dava tudo o que tinham e não tinham em campo de forma destemida rumo a alcançar os objetivos traçados. Longe vão esses tempos, muita coisa mudou, e a entrada de um excesso de estrangeiros no Clube desvirtuou a raça e mística que existia. 

Cada vez mais rareiam atletas formados no Clube na equipa principal e as derrotas que outrora geravam uma espécie de “Grito do Ipiranga” dentro do balneário do FC Porto, dão a sensação de não conseguir “quebrar uma certa apatia e indiferença” reinante. 

Sendo certo que finalmente e felizmente vemos evolução no futebol Portista atual coroado com uma série de seis vitórias consecutivas, teremos que recuar muitos anos para encontrar uma época em que apenas numa primeira volta o FC Porto perdeu com o sporting e o colo colo de Carnide. 

Algo definitivamente tem de mudar, felizmente o treinador do FC Porto percebeu que certas coisas não estavam a funcionar, e mudou-as a tempo de evitar uma completa exclusão da luta pelo título, que está muito complicado à mesma não vale a pena ter ilusões. Não pelo que o colo colo de Carnide joga, mas sim pelo “escudo de proteção” de que beneficia encarnado pelos homens do apito, que tudo têm feito para evitar perdas de pontos perigosas. 

Não me perguntem se acredito no título. Acredito enquanto for matematicamente possível é a resposta politicamente correta, daí esperar que os atletas do FC Porto acreditem até ao fim até ao limite das suas forças. Este era um ano em que não podíamos falhar, após a tragédia que foi a época passada. 

Não podemos ganhar sempre mas, e fica sempre o mas, este era o ano para nos redimirmos e não darmos argumentos e confiança ao principal rival, se conseguirem o bicampeonato quem os atura?! 

Este fenómeno das arbitragens nacionais é extensível a praticamente todas as modalidades, havendo relatos e exemplos de casos escandalosos ocorridos no andebol, hóquei em patins, basquetebol e futsal, envolvendo até os escalões mais jovens, e em todas as circunstâncias tendo como denominador comum o colo colo de Carnide como beneficiário!

Ora é demasiado evidente e recorrente para ser uma coincidência. O FC Porto foi-se alheando ao longo dos últimos anos do que ia acontecendo na Liga de Clubes, e aos poucos o colo colo de Carnide foi “tecendo a teia” e criando a estrutura da sua conveniência para atingir os seus objetivos. Quando muitos acordaram já era tarde! 

É agoniante ver o que sucede nas competições nacionais sempre que o colo colo de Carnide está a competir, são casos e mais casos com impressionante regularidade, que desvirtuam classificações, gerando pontos que não foram justificados com o que sucedeu dentro do “retângulo de jogo”. É uma “mentira piedosa” do agrado da maioria, dos tais “seis milhões” e a bem da “verdade desportiva” a que o colo colo de Carnide foi habituado desde a sua fundação.

Quando a este imoral falseamento da verdade das competições vemos ainda adicionado um falseamento, completa manipulação, inaceitável falta de isenção e até fanatismo e ódio cego “vomitado” por comentadores, “paineleiros” e cronistas em estações televisivas e jornais, ficamos com uma verdadeira imagem do sistema que está criado, da sua magnitude e poder.

A discussão deste fim-de-semana dos “golos irregulares do FC Porto” marca mais um episódio típico de “telelixo” e “pasquins”.  

Fazem-se afirmações gratuitas e nem os lances mostram com o detalhe que deve ser feito para dissipar as dúvidas. Não interessa esclarecer nada pois isso não serve os seus propósitos. O que interessa a esta corja de vermes é lançar a suspeição e a mentira “repetida até à exaustão passando a ser uma verdade”. O tempo que é e sempre será o melhor mestre, irá encarregar-se de tratar também desta gente que não tem um pingo de carácter e vergonha na cara.

E perante tudo isto a SAD do FC Porto está calada, muda e surda! Por vezes surge um pequeno comentário aqui e ali do Presidente ou uma ou outra referência do treinador a lances ou arbitragens mas não passa disso, tudo é feito de forma tímida e até parece que com receio de algo. 

O que é que pode ser feito contra o poder que parece ter sido reativado na capital e está assustadoramente parecido em tudo e mais alguma coisa com um passado que ninguém tem saudades de ditadura e todos os níveis?

É uma questão que poderá gerar as maiores discussões e difíceis conclusões, dada e experiência diretiva dos membros da FC Porto SAD estaria inclinado a acreditar que sabem o que estão a fazer, e o silêncio a que se remetem é estratégico, e é a melhor arma. Mas será que é mesmo assim?

Ter os melhores jogadores, melhor estrutura, melhor equipa técnica, e os melhores dirigentes deixou de ser uma garantia de sucesso, deixou de dar frutos. Pinto da Costa nos seus tempos áureos no passado, dava as suas alfinetadas aos rivais insistindo na ideia que o FC Porto estava preocupado era em contratar os melhores para vencer e deixava as discussões sobre arbitragens para os perdedores.

No estado atual do futebol português e até mesmo do panorama desportivo nacional geral precisamos dum Jorge Nuno Pinto da Costa “renascido”, “renovado”, “rejuvenescido” com vontade e crença em “desafiar o impossível” novamente, que dê asas aos sonhos dos corações azuis e brancos que batem espalhados pelo mundo, que una, motive, fortaleça e lidere rumo às grandes conquistas a sua “armada”.

Ainda na ordem do dia está a tão falada e polémica gala da Federação Portuguesa de Futebol e os seus “esquecimentos”, que devo ser franco, não são nenhuma surpresa para mim, desde sempre esta instituição defendeu os interesses dos clubes da capital e em diversas ocasiões discriminou e prejudicou o FC Porto. 

O que nos deve interessar e motivar no momento é vencermos, pois é esta a melhor forma de os combater e de dar-lhes a resposta que merecem, aliada à nossa indiferença, por sabermos ser melhores e não precisarmos dos seus favores para fazer o que está no nosso destino: VENCER!

Se o valoroso Futebol Clube do Porto resistiu á “erosão dos tempos” e a ditaduras, certamente resistirá e sairá fortalecido de tudo o que se está a passar. Como adepto é difícil lidar com a impaciência, dúvida e revolta que esta situação gera, mas conhecendo a história deste magnífico Clube sei que “largos dias têm 100 anos” e a nossa oportunidade chegará e nada nem ninguém a poderá evitar.

A finalizar, dá gosto ver o jovem Óliver Torres jogar, a forma inteligente como trata a bola, a sua qualidade técnica e humildade, é um atleta que gostaria muito que fosse do FC Porto, daí achar que o Clube deve atempadamente tentar comprar o seu passe ao clube detentor do mesmo. 

Do lote dos “emprestados” que chegou ao Clube este ano é Óliver quem indubitavelmente “pegou de estaca”, adaptou-se melhor, evidencia melhor rendimento, maior margem de progressão e é o mais valioso. Se os outros emprestados regressarem à origem no fim da época não fico com pena. 

Uma boa notícia foi também o regresso do Helton aos relvados, e poderá a curto prazo passar a ser uma opção válida e de peso para baliza do FC Porto. O fato de saber jogar muito bem com os pés e saber repor bem as bolas em jogo para os seus colegas de equipa continua a diferenciá-lo para melhor em relação ao Fabiano.

Aproveito para desejar um Feliz e Próspero 2015 que traga os Portistas e aos seus o melhor de tudo em todas as áreas das suas vidas.

FC Porto a vencer desde 1893!
A Chama do Dragão é Eterna!
FC Porto Sempre!


Por: Blue Punisher
Enviar um comentário
>