terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Conto de Natal

#Benfica #Capela #Joker

 Foi o galo à capoeira
Para fazer de perú
Ser depenado ainda cru
E ser assado à lareira…

Mas o irreverente animal
Não se deixava apanhar
Para fazer de manjar
Na véspera de Natal…

E o cozinheiro da casa
Tudo tentou n’artimanha
Pois já se queimav’a lenha
E o galo bati’a asa!

Desesperado, tentava
Tod’a espécie d’esparrela
O cozinheiro Capela…
Mas já o galo voava!

Mas o seu adjunto
Na sua função de cozinha
Faz uma “pesca à linha”
E põe o galo defunto!

Põe-se-no às avessas
Ao malquisto galo
E marca-se-lhe o golo
Servindo-o às travessas!

E que belo repasto
Dá o galo por perú!
Qu’o Rei já vai nu…
Mas serve-se-lhe o fausto!

E o cozinheiro
De créditos firmados
De tão bons cozinhados…
Manda no galinheiro!

Lá queria um galo
Mandar na capoeira?
Enganar a águia Vitória
Até ao intervalo?

Pois não pode ser
Que no Reino dos animais
Não são todos iguais
E só um pode vencer!

Há os predadores
E os que fazem de caça…
O galo faz de carcaça
Pr’o fausto dos criadores!

Por isso o galo não voa
Senão corta-se-lh’a asa!
(E o Máxi na linha passa
Como sendo boa pessoa…)

E apanh’o galo incauto
Na crença desse fiscal
Que pr’a ceia de Natal
Já tem o Galo por lauto!

E tudo acaba bem
Nesta história de Natal
Pois que ninguém lev’a mal
Mais uma vitória aquém…

E depois desta quadra
Mais galos aí virão
Que linhas marcadas à mão
Servirão a outra jornada!

Mas chegados a Maio
Outro galo aí vai cantar!
E o Capela vai cozinhar
Não o galo…o papagaio!


Por: Joker
Enviar um comentário
>