sexta-feira, 4 de abril de 2014

Liga Europa, 1/4 Final - 1ª Mão: FC Porto 1 - 0 Sevilha

#FCPorto #LigaEuropa #Sevilha #Portugal
Caminhos

FC Porto vs Sevilha (LUSA)




Há dois caminhos possíveis. O fácil, metendo os golos suficientes na baliza do adversário, encaminhando, desde já, a eliminatória, e o difícil, dando o mesmo banho de bola, mas quedar-se pela magreza do 1-0. Topar só por uma vez a rede da baliza e abanar os postes mais vezes. Mostrar talento, mas deixar tudo em aberto para a segunda mão. Já assim foi frente ao Nápoles, já assim havia sido contra a equipa vermelha da segunda circular para a taça. É o caminho da dor, do sofrimento, de quem é penalizado por ser misericordioso.





Não há misericórdia no futebol.

O Sevilha só por uma vez chegou perto. Tudo o resto foi FC Porto e só FC Porto. Largura no ataque, pressão a meio campo e uma defesa bem mais sólida. Os laterais do FC Porto engataram um grande jogo e Jackson lá na frente já anda com fome de novo. Faltou um pingo de génio a meio campo e um Varela numa rara fase mais esplendorosa. E alguma sorte. Com os postes e com o árbitro.

A primeira parte é 45 minutos de puro domínio portista. A espaços, jogou-se o melhor futebol da temporada. É certo que faltou alguma acutilância no ataque para vencer o bloco baixo do Sevilha. Tínhamos dificuldades em concretizar numa ameaça real de golo o futebol envolvente que era praticado. Ainda assim, o Sevilha nem cheirava a linha de meio campo.

Até que lá chega o golo de Mangala. Com uma trivela de Quaresma como assistência. Justiça no marcador. Justiça sovina, tal era o domínio de jogo. Mais duas boas oportunidades falhadas e um remate excepcional de Defour ao poste, salvam o Sevilha de ir para intervalo como um justíssimo olé!

 A segunda parte é mais pensada.

O FC Porto começa a perder gás e a pensar no jogo que ainda falta disputar. Luís Castro vai mexendo bem. Tentando dar força nas peças que iam acusando desgaste. Primeiro, troca Carlos Eduardo por Quintero. Depois, Defour por Herrera e, por fim, Varela por Ghilas.
O Sevilha também vai alterando, sempre na tentativa de ganhar domínio a meio campo. Tira dois jogadores quase inoperantes como Iborra e Reyes e, aos poucos, vai subindo as suas linhas.







O jogo fica mais repartido, mas o domínio portista é perene. Só por uma vez o Sevilha assustou. Já o FC Porto, tem mais dois golos nos pés de Jackson e Ghilas e mais uma bola no ferro de Beto, desta vez por Quaresma, na ressaca de um livre directo por si cobrado.






Já podia estar bem encaminhado. Paciência. É o caminho difícil que teremos que percorrer.

Mais difícil ainda, após o trabalho do enviado de Platini, ex capitão dessa Juventus que nos levou no gamanço a Taça das Taças. Amarelou Jackson, o que o excluí do próximo jogo, e expulsou Fernando. 



Digam lá se o raio do alemão não tem um dedinho que adivinha…

Seja como for, é a batalha que nos calhou. E é para vencer. Quero ir a Turim e tomar das mãos de Platini aquilo que nos foi gamado há muitos anos. Assim seja!



Análises Individuais:

Fabiano – Quando foi preciso, esteve à altura. Sim, não agarrou a bola, mas a potência do remate não tornou a defesa fácil. Precisa de evoluir, isso é certo. Ainda não comprometeu, já ganhou jogos e está a passar muitos testes de fogo seguidos. No bom caminho.

Danilo – Excelente exibição. Defensivamente, sagaz e guerreiro. No ataque, sempre pronto a esticar o jogo. De vez em quando, mostra o que sabe.

Alex Sandro – Excelente primeira parte. Tal como Danilo, soube fechar os caminhos para a baliza e ser ofensivo qb.

Reyes – Mais uma exibição sólida, sobretudo, perante Bacca, que não é uma avançado fácil de marcar. Soube adaptar-se à mobilidade do Colombiano e repartir a marcação com Mangala. Está a marcar uma presença muito forte no onze.

Mangala – Tirando um pecadilho, faz uma exibição portentosa. Parece que está descoberto o que lhe faltava. Tem um jogo mais sereno quando assume o comando da defesa. Até a braçadeira parece ter um efeito terapêutico. Anda mais focado no jogo. O melhor em campo.

Fernando – Exibição de grande nível, até ao minuto 85. Não pode perder a cabeça. Só ajudou a missão arbitral. Quanto ao jogo, abafou Rakitic. Tudo dito. Abafou.

Defour – Muito bem na intensidade de jogo. Deu tudo o que tinha e foi importante nos momentos de pressão à saída de bola do Sevilha. Faltou-lhe capacidade para virar o jogo, ou seja, lançar o ataque do FC Porto. Em Sevilha irá assumir a posição de Fernando. É copiar o que fez no Dragão na primeira parte e esticar por mais minutos. Será essencial.

Carlos Eduardo – Quase todos os passes a rasgar saíram dos seus pés. Parece melhor fisicamente, mas tem que perceber que precisa de dar mais ao jogo do FC Porto. Procurar mais mudanças de ritmo, procurar mais os espaços vazios em velocidade e ser mais agressivo sem e com bola.

Varela – Ainda sem ser o “bom” Varela, já fez uma exibição bem mais próxima do seu valor. Faltou-lhe capacidade de drible para desequilibrar, mas não se escondeu do jogo.

Quaresma – Uma exibição à Quaresma. Ora uma assistência de trivela para golo ou um remate de ângulo reduzido, de primeira e sem deixar a bola cair no chão. Ora um remate, à sua medida e em zona frontal, quase para a bandeirola de canto. Foi a alma da equipa no ataque, sempre a tentar dar um safanão no jogo. Procurou muito jogar em velocidade, o que foi muito positivo para o FC Porto. Continuo sem perceber porque raio tem que ser o rei da bola parada.

Jackson – Levou porrada do Perejo o tempo inteiro. Salta a uma bola e toma lá amarelo porque o tal de Iborra decide fazer fita. Árbitros à Platini. Quanto ao seu jogo, foi interventivo e mexido, mas faltou mais qualidade na hora do remate. Nestes jogos, meia oportunidade nos seus pés tem que ser golo.


Quintero – Entrou a tentar mostrar tudo de uma só vez. Ganhava vantagem na primeira finta, perdia-a na terceira. Bom remate de longe, que por pouco não deu uma golo de bandeira. Ainda assim, teve uma boa entrada, sobretudo porque demonstrou vontade para ser solidário com a equipa após a expulsão de Fernando. Não virou a cara a defender.

Herrera – Tentou trazer maior capacidade de transporte de bola. Acaba sendo muito útil a defender após a expulsão de Fernando.

Ghilas – Entrou tarde, mas ainda a tempo de mostrar toda a sua qualidade num lance que deixou água na boca. Temos jogador para assumir as chuteiras de Jackson em Sevilha. Talento e garra tem!



Ficha de Jogo:

FC Porto: Fabiano; Danilo, Reyes, Mangala e Alex Sandro; Carlos Eduardo, Fernando e Defour; Quaresma, Jackson e Varela
Suplentes: Kadu, Quintero, Ghilas, Herrera, Licá, Ricardo e Mikel Agu
Treinador: Luís Castro

Sevilha Beto; Coke, Pareja, Fernando Navarro e Moreno; Carriço e Iborra; Reyes, Rakitic e Marin; Bacca.
Suplentes:Javier Varas, Diogo Figueiras, Trochowski, Samperio, Kevin Gameiro, Vitolo e Luismi
Treinador: Unai Emery

Árbitro: Wolfgang Stark (GER)



Por: Breogán
Enviar um comentário
>