domingo, 18 de maio de 2014

FC Porto 3 - 2 benfica - Batalha ganha

#FCPorto #Porto #HóqueiemPatins #HélderNunes #Desporto #Portugal







O FC Porto recebeu esta tarde aquele clube que adoramos vencer em jogo a contar para a 28ª jornada do Campeonato. Ganhamos e estamos agora a duas vitórias do sonho do campeonato. O Valongo, que entretanto também ganhou o seu jogo está empatado com o nosso clube na liderança. Ambos têm 71 pontos. O adversário de hoje soma 68. 




Comecemos pelo ambiente. Fantástico. Um daqueles ambientes que apenas nós conseguimos criar num pavilhão. O nosso Dragãozinho encheu para apoiar a nossa equipa. Sempre a cantar, sempre a incentivar os nossos atletas. Hoje, nós adeptos, também fizemos a nossa parte...

Tó Neves preparou o 5 inicial sem qualquer surpresa. Em jogos grandes começam estes. 

Como referimos nas bancadas já estava um ambiente magnifico. Imaginem agora como ficou depois do nosso golo inaugural com apenas 17 segundos de jogo... Sim, bastou isso. Pedro Moreira de muito longe e aproveitando a passividade de quem o marcava, arranjou espaço para rematar. Era de muito longe mas o nosso jogador arriscou. Saiu um grande remate. E a bola só parou na baliza dos coisinhos.... GOOOOLO! Que início espetacular! 

O Porto foi aliás, superior desde o apito inicial. Entramos a criar inúmeras oportunidades, a mostrar um hóquei dinâmico e jogadores altamente motivados. Cada bola era para ser ganha, cada ataque era para os amedrontar um pouco mais. 

Não obstante esse enorme coração, sempre fomos uma equipa racional. Queríamos ser nós a definir o ritmo do encontro, queríamos ter a bola. Assim, iniciamos com ataques longos, pacientes. 

Aos 8 minutos essa supremacia voltou a dar frutos. Passe de Barreiros para trás. Reinaldo Ventura sai bem do bloquei e surge embalado. Já de ângulo dificil remata um daqueles "tiros" à Reinaldo. O guarda-redes nem teve tempo para perceber o que estava a acontecer. Golaço! Reinaldo Ventura a fazer o 2 - 0. As bancadas do Dragãozinho pareciam um vulcão...

O treinador adversário percebe o perigo e pede um desconto de tempo.

Nada mudou. Continuávamos por cima. Logo após o reinício Reinaldo Ventura atira ao poste. 

Era altura de Tó Neves começar a rotação habitual. A primeira alteração foi a entreda de Vitor Hugo para o lugar de Jorge Silva. Sai o melhor marcador, entra o 2º melhor marcador. Pouco depois Caio (pouco inspirado hoje) rende Reinaldo. Uns minutos depois entra Hélder Nunes. 

Entramos numa fase de mais equilibrio. Convém realçar que esse equilibrio não reduziu as nossas oportunidades de aumentar a vantagem. Vitor Hugo esteve muito perto de marcar após entrar. Ricardo Barreiros voltou a acertar no poste. A diferença é que a forma como eles intensificaram a pressão deu-lhes igualmente oportunidades a eles, algo que até então tinham sido escassas.

Eles criaram perigo. Nós temos Edo que esteve brilhante neste primeiro tempo. Uma jogada que exemplifica isso. O triste e imbecil Diogo Rafael conseguiu isolar-se. Edo nunca perdeu a noção da bola e fez uma enorme defesa... 

Tó Neves esteve bem a pedir à equipa ataques mais longos e pausados para arrefecer o jogo, não cair num estilo de bola cá, bola lá. A equipa voltou a mostrar-se superior rapidamente.

A poucos minutos do intervalo ficou um penalti por marcar sobre o nosso capitão, o guarda redes adversário tocou-lhe. Felizmente no minuto seguinte viram o que aconteceu e mostraram azul ao jogador dos coisinhos. Faltavam 2 minutos e íamos ter direito a um livre directo. Era Hélder Nunes que ia marcar. Não marcou desta vez mas estávamos a jogar em power play quase até ao apito. 

Essa vantagem numérica não trouxe resultados. Assim chegamos ao intervalo a ganhar por 2 - 0. Justo e até curto pelo que foi esta 1ª parte.

O regresso dos balneários não foi de boa memória para o nosso clube. No 1º minuto eles reduziram. 

Nós sentimos esse golo. O nosso jogo não revelava a mesma fluência do primeiro tempo. Estávamos precipitados no ataque, com remates a surgirem muito rápido. Mesmo no passe os erros acumularam-se. 

Ao 4º minuto eles dispuseram de um livre directo por azul a Jorge Silva. Edo Bosch esteve muito bem a parar o remate. Não foi dessa, mas eles marcaram pouco depois. Uma jogada de sorte é certo, mas Edo pareceu mal batido, a bola passou por baixo das pernas do nosso guardião.

Tudo empatado. Faltavam 18 minutos. Muito tempo para ganharmos o jogo. 

Ambas as equipas aproximavam-se da dezena de faltas. Eles fizeram-na primeiro mas na marcação do livre directo correspondente Reinaldo Ventura permitiu a defesa. No minuto seguinte foi a nossa vez. Edo Bosch redimiu-se do lance do segundo golo e defendeu.

Os minutos iam passando. Intensos mas nem sempre bem jogados. A equipa dos coisinhos começava a exagerar na virilidade. Vá lá que metade das faltas que cometeram foram marcadas. Não era expectavel, sobretudo com Rui Torres a ser um dos árbitros.

Até que a 4 minutos do fim surge aquele momento que ansiávamos. 15ª falta deles. Íamos ter direito a novo livre directo. 

Hélder Nunes ia voltar a assumir a responsabilidade de marcar. Ele que tem feito isso esta época com bastante sucesso. Os 2000 adeptos presentes incentivavam o nosso jovem, tínhamos confiança nele. 

O nosso craque marcou de forma diferente. Atirou de primeira. A bola foi ao ângulo. 

GOOOOOLO! GOOOOOLO! 

O Dragãozinho vibrou com o nosso atleta. Como foi importante este golo. 

Era altura de defender. Cada bola era para lutar, cada centímetro de campo era para conquistar. Foram 4 minutos intensos acreditem. Fomos verdadeiros guerreiros. Eles não marcaram e nem criaram muito perigo. Até fomos nós que já perto do fim desperdiçamos novo livre directo. 

Apito final. GANHAMOS! Só vale 3 pontos, ainda temos de ganhar os restantes jogos mas foi saboroso. Contra estes é sempre assim, sobretudo numa fase crucial da época.

Para a semana vamos aos Açores para defrontar o Candelária. O jogo final e provavelmente decisivo será no pavilhão do Valongo. Muitas emoções nos esperam...




FICHA DE JOGO

FC Porto Fidelidade-Benfica, 3-2

Campeonato Nacional, 28.ª jornada
17 de Maio de 2014 
Dragão Caixa, no Porto

Árbitros: Rui Torres (Minho) e Luís Peixoto (Lisboa) 

FC PORTO FIDELIDADE: Edo Bosch (g.r.), Pedro Moreira (1), Ricardo Barreiros, Jorge Silva e Reinaldo Ventura (cap., 1)
Jogaram ainda: Vítor Hugo, Caio, Hélder Nunes (1) e Tiago Losna
Treinador: Tó Neves

BENFICA: Guillem Trabal (g.r.), Valter Neves (cap., 1), Esteban Abalos, Carlos López e João Rodrigues (1)
Jogaram ainda: Miguel Rocha, Diogo Rafael, Marc Coy
Treinador: Pedro Nunes

Ao intervalo: 2-0
Marcadores: Pedro Moreira (1m), Reinaldo Ventura (8m), João Rodrigues (27m), Valter Neves (32m) e Hélder Nunes (46m)


Por: Paulinho Santos




Enviar um comentário
>