sexta-feira, 9 de junho de 2017

Que grande filme!!



Que grande filme!!

Meu caro Sérgio,
Antes de mais, bem vindo!
Qu'a vida te saia sorrindo 
Em sortilégio!

E mostres, uma vez mais,
A tua acertada escolha,
E que no final se recolha 
Proventos em si iguais!

Mas o tema do momento 
Nem é a tua apresentação, 
Qu'o Rui Santos na sua estação
"Confirmou" por seu consentimento!?

Mas, sim, a grande cúria, 
D'acólitos, párocos e padres,
Que rezaram a missa aos compadres, 
As vezes que se queria!?

Agora que já não é "absurda"
A acusação como desculpa,
O benfica já não tem culpa 
Que seja muda...

Afinal já quer "justiça",
E que seja célere e conduta,
Qu'a suspeita é pois, muita,
Pr'a se ocultar como simples "missa"...

E s'A Bola 
Não vê motivos pr'a notícias,
Pr'a parangonas e outras sevícias,
É porque lhes inch'a tola!

Até o Guerra do "jornal"
Foi fazer uma perninha à BTv,
Qu'o desespero se prevê 
Judicial...

E casos de corrupção desportiva
A Bola só conhece o "Apito Dourado",
Um caso por si "informado"
Com "deontologia efectiva"!

Agora que não há fruta
Ou mesmo café com leite,
Dá-lhes o azeite 
Na nota oculta...

E não havendo árbitros 
A serem tidos por padres,
Que nessas missas são ases!...
Fazem-se estrábicos!

Não lêem outros jornais
Ou notícias doutra imprensa,
Pois esta gente ainda pensa 
Qu'os seus leitores são a si iguais!

Uma cambada de carneiros 
Que balem num só sentido,
E um clube protegido 
Por "jornaleiros"!

E hoje que já é notícia 
Pr'o Correio da Manhã,
O seu maior afã 
É isto ser caso de polícia!!?

E dizer de boca cheia 
Qu'a justiça efectiva,
Não agiu por investida 
Mas apenas por panaceia...

E avisou os bandidos 
Pr'a terem tempo d'apagar os escritos,
Como s'estes não estivessem em registos 
Muito bem lidos!?

Como s'outros não houvesse 
Do sítio donde vieram esses,
Esperando que tais fregueses 
Os apagassem sem stress...

Era mais o que faltava 
Que depois de tantos indícios,
Qu'os árbitros têm tais vícios,
A justiça não actuava...

Pode até actuar devagarinho
Sem fazer o show-off do "Dourado",
Mas se depender da Morgado
O Gordo fica sozinho!

Já vai ser mandado às feras
P'la cúpula do "Primeiro",
E o Gordo virá dizer a terreiro 
Que sempre deu provas sinceras

De total rectidão,
Verticalidade e conduta,
E qu'a sua culpa 
Não passa d'encenação!

A Bola está do seu lado
Como "bom" ex-futebolista,
E o qu'ele disser na entrevista 
Pode dá-lo por culpado!

É pois deixá-lo falar 
Pr'a s'ilibar de tal culpa, 
E que no próximo mail a desculpa 
Sej'o de não saber teclar...

Depois das prendas 
E dos bilhetes gratuitos,
Os padres são mais que muitos,
E qu'as encomendas!

E se s'investigar 
Como lá disse o Marco,
Pode ser qu'o barco 
Ainda possa afundar...

Esse Titanic
Do tamanho do regime,
Qu'um dia deu um filme 
Chic...

E agora "A catedral"
Possa ser filmada, 
E que seja realizada 
No paço ducal!

Ali junto ao Terreiro
Do Paço,
Ond'a edilidade tem um espaço - 
"Conde Andeiro"!

E lá se vai rodar
Um crime de "Corrupção",
Não como fonte de ficção
Dum livro que se fez pagar!?

Pode ser qu'o Botelho 
S'apreste a fazer a rodagem, 
E nos faça passar a mensagem 
Que está por detrás do aparelho...

Ele que foi tão prestimoso 
Na rodagem do "Eu, Carolina",
Está pois, um degrau acima,
Pr'a rodar o "glorioso"...

Por isso, desculpa Conceição,
Por estar aqui a falar de curas,
Mas costuma ser nestas alturas 
Que se dá a ressurreição!

Pode ser qu'acabe a era 
Dos bispos e dos "primeiros",
E os segundos sejam cimeiros, 
Quando menos s'espera!

E find'a corrupção 
Das vestes e do sagrado,
Sérgio, tú sejas achado 
Em pura competição!

Porque de resto a sentença
É certa com'o Espírito Santo!
Pois qu'ao benfica neste manto,
Ninguém espera qu s'o vença!!

E s'estamos à espera 
Dos ver um dia condenados, 
Antes os votos sagrados 
Fossem quimera!!

Este país se condena 
O clube do regime,
Faz-se nisto tamanho filme 
Onde não acab'a cena!?

E já me dou por satisfeito
D'os ver em sentido, 
De ver o Gordo arguido 
Como s'isto fosse um Estado de Direito!!?...

Joker

Enviar um comentário
>