sexta-feira, 23 de junho de 2017

O "mutante"


O "mutante"

O clima de putrefação 
Do futebol cá do burgo, 
Numa imagem, é sujo:
Uma mescla de Cabral e Adão!

Mas nem é essa imagem final
Aquela que me dá mais asco, 
Nem é o Guerra que acho 
O rosto do verdadeiro mal!

Nem é lá o "falador"
Da dita comunicação,
Que me dá a maior menção 
A este dedo acusador!

Nem é lá o Orelhas,
O grande arquitecto da organização, 
Ou o líder da "jurisdição"
Das notas boas ou "azelhas"...

O rosto do verdadeiro mal
É essa imagem de cobra,
O homem que lá fez a obra 
Da cartilha plural...

Ao vê-lo ali a falar 
No seu traje de "independente",
Vejo como é inconsequente 
A página que se quer virar...

Enquanto estas "personalidades"
Gravitarem no mundo do desporto, 
O futebol será um nado-morto 
Pejado de contrariedades...

Esta gente não tem vergonha
E não olh'a meios, 
E notem o quão são "feios"
Na sua cara medonha!

Notem bem a pronúncia 
Da sua língua viperina!
Esta é uma estirpe "assassina" 
Que nunca renuncia...

Vivem como parasitas 
Do próprio fenómeno, 
E só vencendo tal demónio 
Podemos ter uma Liga lícita!

Este "homem" é reptiliano 
Na sua voracidade,
Note-se-lhe a vontade 
Do domínio humano!

Atente-se no olhar 
Vítreo, dominante, 
E um rasto sibilante 
Quando vai falar...

Atente-se na inexpressão - 
Ou mudez expressiva!
Esta coisa não está viva,
Mas em "metabolização"!

O mentor da cartilha 
É um demónio alado!!
E ocup'o espaço televisionado 
C'a sua quadrilha...

E não vê relevância 
No conteúdo "alheio",
Porque ele é o próprio veio 
Desta militância!

E na tez sem cor, 
Tal qual um vampiro, 
O "cartilheiro" tem um suspiro 
D'amor...

Não é p'lo benfica
Mas sim p'lo dinheiro!
Qu'o mesmo não tem cheiro 
Nas suas qualidades odoríficas...

Esta gente sem cor
E sem rasto sanguíneo, 
É o mais mortal "assassino
Competidor"!

São como que um vírus 
Ou artificiosas bactérias,
Que nos invadem as artérias 
Por "gurus"!

Uma "estirpe assassina"
Qu'invade o ar putrefacto,
E se recria num rato 
Como estricnina!

Já me viram bem a "raça"??
O "homem" é um ET?!
Quem ainda não se crê
Qu'ele aqui and'a à caça?

Mata com retóricas 
Vis e mentirosas, 
E decanta c'as ventosas 
Metafóricas!

Esta raça é uma espécie de polvo,
Meia humana e cefalópode, 
C'um exoesqueleto de artrópode 
E uma cabeça d'ovo!

Parece o ET do Novo México, 
Ressuscitado!
E ainda revitalizado 
No léxico!!

A pronúncia é sideral,
Dado que ninguém a entende,
Mas o que nele mais surpreende 
É a mensagem sempre igual...

E que como ela passa, hipnótica,
Na mente de gente "inteligente",
Que nisso se diz indiferente 
A essa vertente anedótica!

Bem sei qu'o rosto do mal
Não é o arquitecto de tal obra,
Mas qu'ele bem manobra 
Na mensagem "ideal"!

O Orelhas é essa mente 
Geniosa e desviante, 
Mas a mensagem "mutante"
É a obra "inteligente"...

Joker


Enviar um comentário
>