sexta-feira, 2 de junho de 2017

A ratazana


A ratazana

Tod'a semana 
Nos roub'o queijo, 
No seu traquejo
De ratazana!


Por roedora,
A ratazana 
Se não come, mama
Da manjedoura!

A ratazana 
Até tem programa,
E tod'a semana 
Ela é ufana!

Rói a sua verdade 
Desportiva,
Lutando p'la vida,
P'la oportunidade...

E na sua Liga
Dita "real",
Ou diz bem ou mal, 
Como se lhe diga!

E elogia
C'o seu troféu,
O qu'agora deu 
Quando antes não o merecia!?

É a ratazana 
No seu campeonato!
O campeão tem de ser o gato,
Senão a barraca abana!

E lá vai a ratazana
Pr'a outra televisão,
Roer outra estação 
Semana a semana...

Tanta ratazana 
Que nos entra p'la casa dentro,
E não há veneno ou unguento,
Uma simples tisana...

Que nos erradique
Esta praga,
Esta enorme chaga 
De benfique!

Estas ratazanas 
Que nos enchem os écrans,
E se enchem de élans 
Nas suas verdades ciganas...

Tanta ratazana 
Que nos comenta na TV,
Na rádio, no que se lê, 
Por guarda pretoriana!

O regime até vende
Camisolas em horário nobre,
E o país ainda que pobre, 
Entende... 

É o benfica,
É a nova camisola!
É a notícia da bola,
É a ratazana que deu a dica!!

E o país exulta 
C'o novo traje!
E o jornal, no nosso ultraje,
Nem dá desculpa!

É a propaganda 
Das ratazanas,
É isto tod'as semanas 
Porque o benfica manda!

É a nação
De tanto rato, 
Qu'o país, tendo olfacto, 
Sentiri'a podridão!

Esta negra pestilência 
Feita vermelha,
E uma horda de "gente velha"
Com descendência...

Esse Velho Estado,
Hoje dito Novo,
E um percurso coevo 
De tudo estar tomado!

Não há opção 
A não ser não ver,
E deixá-los dizer 
A sua lição!

Deixá-los ditar 
A sua cartilha, 
E saber qu'a quadrilha 
Só pode roubar!

E depois justifica 
O seu "nobre" acto, 
Materializando por facto 
A vitória iníqua!

É assim o regime
Onde não falta vencer,
Porque nisto ao poder 
Há quem o confirme!

E sem justificação 
Do acto iníquo, 
O regime único 
Perde a eleição!

Por isso os ratos 
São tão necessários,
Porque eles são os primeiros 
A lamber os pratos...

E ao afundar o barco 
São os primeiros a fugir, 
E aí no seu grunhir 
Damos conta do facto!

A ratazana 
Lá fez a contrição,
Afinal o campeão
Tinha ganho semana a semana...

E a contabilidade 
Desse mesmo rato, 
Afinal mudou de facto 
Por não conformidade!

Afinal o Vitória
Era um justo vencedor,
E por iss'o roedor 
Lhe cedeu tal glória!

Ah, mundo de ratos!
Mundo de dejectos...
Nele só vingam os espertos 
E os relapsos...




Joker
Enviar um comentário
>