sexta-feira, 2 de junho de 2017

Leviatã!


Leviatã!

Quem tem um padrinho
Influente e rico, 
Sabe qu'a vida é um circo
Quando não s'está sozinho!

Qu'o padrinho gere
A sua carreira,
E dela faz charneira 
Quando bem quer!

E nisto treinar
Um dos maiores do mundo,
Ou um clube do fundo 
Do campeonato além-mar...

Prefere-se "os lobos"
Em vez dos Dragões,
Porque lá as segundas divisões 
Não suportam roubos!

E mesmo na segunda
A competição é mais justa,
Qu'a nossa até assusta
Na seriedade mais imunda!

Por isso o padrinho
Lá lhe deve ter dito:
- O campeão já está escrito,
Não te dês ao empenho!

- Dá os parabéns 
Ao novo campeão, 
E vai treinar noutra competição,
Um dos meus clubes-mães!

- Sempre é mais seguro
Que treinar o Porto, 
Qu'o clube já está morto
Como s'escreveu no muro...

E lá foi o afilhado 
Treinar o clube certo
Porqu'o padrinho está encoberto 
No negócio "por outro lado"...

E nessa ilusão 
De que podíamos ser campeões,
O Nuno lá lhes deu os parabéns 
Pr'a agradar ao seu patrão!

O que mais m'apoquenta 
Não é perder o Espírito Santo, 
É saber que outro tanto 
Já não s'aguenta!

O Porto não bateu no fundo,
Há muito que veio a tona!
E volveu de novo à lona 
Do leito profundo...

Há muito mais em jogo
Qu'um simples jogo de futebol, 
Pois o país é este rol 
De lodo...

Esta disparidade 
Na riqueza/investimento, 
E a Lisboa a dár-se ao aumento 
De tod'a oportunidade!?

Há muito qu'é necessário
Um partido autonómico, 
E s'ilegal, dá-se um outro tónico 
Panfletário!

É preciso acabar 
Com este macrocéfalo Estado, 
E haja poder noutro lado 
Pr'a se democratizar!

Enquanto não se mudar 
O paradigma político, 
O Porto será um mito 
Na tentativa de ganhar!

Pode vir o Conceição,
O Marco, o Jardim,
Ou o Jesus, que no  fim
O benfica é campeão!

São demasiados interesses,
Lobistas e financeiros,
Pr'a eles não serem os "candeeiros"
De tantas benesses!

O país está entregue 
A esta casta política, 
E o regime é que indica 
Quem se lhe segue!

Se tivemos a ilusão
D'ainda sermos campeões,
Foram semanas d'alucinações 
Pensar vencer a competição!

Hobbes o escrevera
Qu'o Estado se quer forte,
E não pode haver norte 
S'o sul não prospera!

E a grande besta 
Do poder absoluto, 
Logo escolhe o couto,
E a árvore p'la floresta!

Por isso o Nuno
Lá seguiu as directivas,
Porque ainda tem sete vidas
De turno!

E ficar por cá
A treinar uma equipa sem hipóteses,
Mais vale outra com próteses, 
Qu'o Mendes lhe dá!

Sempre é um futuro
Mais reconfortante,
E um dia, não distante, 
Sai-lhe um outro furo!

O Porto foi entreposto
E serviu de teste,
Porqu'o Mendes lhe foi agreste
No gosto!

E pouco lhe deu
Pr'a formar equipa, 
Porque ele quer é o benfica 
E o seu!

Este Equilão
É pois um monstro gigante,
E um padrinho por garante 
Até um dia ser campeão...

Joker

Enviar um comentário
>