sexta-feira, 28 de abril de 2017

Paz podre


Paz à sua alma...


Paz podre

Sai mais uma Xistralhada 
Pr'o clima de paz podre!
Pois que quem nomeia pode,
Jornada após jornada...

Ainda estão com medo
De perder o campeonato,
E o seguro quer-se inato 
A quem se segura desde cedo...

Não vá o diabo aparecer 
No minuto noventa e dois,
E vê-los chorar depois 
Sem conseguirem adormecer...

Por isso se quer a paz,
Enterrar-se machados de guerra...
E fingir-se o amor na Terra, 
Nem que seja de forma fugaz...

Assim meio envergonhado 
Com'as notícias sobr'o assassinato,
Pois que nist'o campeonato 
Pode não ser homologado...

Vá lá falar-se de claques
Ilegais!?
E dizer-se que são naturais 
Tais embates!?

Imagine-se o contrário,
De ver morrer um adepto
Com uma águia ao peito...
O que se faria de projecto funerário!!?

E se fosse um Super Dragão
A assassinar...
Aí Portugal ía parar 
Em franca manifestação!!

Chamava-se o Pereira 
De novo pr'a Administração,
E o Porto tornava-se uma prisão 
Inteira!

Como daquela ocasião 
Em que foram campeões,
E pr'o Porto mandaram os canhões
Pr'a se permitir a comemoração!?

E agora falam de pacificação
No preceito da xenofobia,
E passa nisto mais um dia 
O Brahimi de suspensão...

Essse inédito castigo
Por palavras incompreendidas,
E por por imagens nunca transmitidas 
Desse tal "dito"!?

Querem paz...
Diz-nos o Proença!
Ele que esteve em convalescença 
Por causa doutro "bom rapaz"!?

Desses que, ilegais,
Disso fazem gaúdio!
E vivem em tal estádio 
Cada vez mais...

E em Portugal 
A lei não s'aplica,
Porqu'ao benfica 
Pode parecer mal...

Tanta suspeita
De tráfico,
Neste mundo pornográfico
De seita!

O benfica tornou-se isto,
E o povo gosta!
E quem comigo aposta
Qu'o culpado é Jesus Cristo?

Ou o italiano,
Já tido por extremista,
Hooligan e carteirista,
E siciliano!?

Ah, era florentino?
Pois não interessa, 
Que como diz a peça, 
Não era um menino!!...

A do Valdemar,
Esse outro "jornalista",
Que disse em entrevista 
Qu'ali não podia estar!?

E esse "criminoso",
Agora falecido,
Devia ser arguido 
Por ser muito perigoso...

E ter enfrentado 
Um Clio c'o corpo!?
E estar agora morto 
Sem ser julgado??

Pois que, coitado,
O rapaz da claque,
Não tinha escape
Pr'a fugir de lado!!

E s'atropelou 
O outro adepto,
Foi porque, esperto,
Não se ficou...

Queria abalar 
Da Juventude
E nessa atitude
Deu-lhe pr'a acelarar...

É inocente, 
Como diz o advogado,
Porque este, bem pago
Se revela muito eloquente!!?

...E sem antecedentes 
D'outro assassínio,
Vai-se pr'o domínio 
Dos acidentes!?

De estrada, claro!
Pr'a fazer estatística!
E há probabilística 
Do culpado ser o carro...

Prender o Renault
E não o adepto, 
Porque isso é o mais correcto 
Segundo a física de Foulcaut...

E o benfica 
De nada tem culpa, 
Pois tem a desculpa 
Que sempre o dignifica!

Que não tem claques organizadas,
Que só tem adeptos...
E hão-de nascer-nos netos 
Antes de serem legalizadas!!

Porqu'a lei 
Aqui em Itália,
É uma parafernália 
Sem roque ou rei!

Ving'o benfica 
Como máxima autoridade, 
E ganha sempre, com verdade
Na justiça ou na política...

E quem por lá circula, 
Na Cosme Damião
Tem que ir com atenção
A tod'a matrícula...

E se circular fora-d'horas
Tem presunção de culpabilidade,
Porque ali não há liberdade(s)
Motoras...

É um Estado dentro do Estado
Se lá circulas pela noite dentro,
E podes sempre ir dentro,
Se não fores pr'a outro lado...

...E nesta paz do Senhor 
Se disputa um campeonato,
E tod'a cartilha um facto 
De pormenor!!?

É a "pax" de Roma
Que nos querem impor, 
Porque não bast'o andor,
Senão colocarem-nos em coma!

É preciso morrer
Nisto um adepto, 
E o respeito nem sempre é certo 
À memória de quem quis viver...

Joker

Enviar um comentário
>