segunda-feira, 17 de abril de 2017

C'o rei na barriga!



C'o rei na barriga!

Quis-se o Miguel em Braga
Pr'a apitar a partida, 
E ela esteve quase vencida 
E bem paga!

Que s'o largo critério 
Que não tev'o Felipe,
Deu pr'a expulsar o Brahimi
Por declaração mistério....

Ninguém sabe o que disse
Na sua expressão francófona, 
Mas o árbitro leu a mnemónica 
No rosto da batotice!

Ele que apita partidas  
Como árbitro!?
E disso se gaba, no hábito
Das vitórias conseguidas!!

Este cartel está bem composto 
De gente qu'é "independente",
Que o requisito pr'a se ser "inteligente"
É apitar sempre com gosto!

Com gosto p'lo vermelho 
Que nem s'esconde de s'o dizer,
Não vá o benfica perder 
O título por um chavelho!

Nunca vi tanto lampião 
No colégio arbitral, 
E agora na parte final 
Há rostos na intenção!

É tant'a falta de pudor 
No seu trato ostensivo,
Qu'o 4º árbitro foi sugestivo 
No encalço do jogador...

Ali de roda do banco 
Sempre à procura de pretexto,
Pr'a lá expulsar com contexto 
Manco...

É a escola de Coimbra,
Cidade dos meus estudos,
Que faz árbitros com canudos 
Em álgebra!

Essa ciência matemática 
Que tudo calcula a preceito, 
E preconiza tod'o efeito 
Na táctica!

Essa táctica destrutiva 
No ataque sistemático, 
Não vá dar-se o caso táctico 
Do benfica perder vida...

E já neste fim-de-semana 
Levar coça valente,
Porque nada joga e, já sente, 
Que pode ficar de cama...

Nos cuidados intensivos 
Quando faltam quatro jornadas, 
E se forem mal jogadas 
Podem perder os activos...

Os activos de três pontos
Ganhos com muita cartilha,
Que nisso tod'a "quadrilha"
Roubou mais de "mil contos"!

Em tantas boas edições 
Lançadas p'lo Capela,
Que juntas dão grande trela 
Pr'a se compilarem sermões!

Mas não os do Padre Vieira,
Que não é destinatário, 
Porque ele nada tem d'otário 
Na sua prelada carreira!

E s'os há nisto "jornalistas"
A receberem instruções,
Não foram os seus sermões 
Qu'os fizeram seminaristas!

Aquilo é tudo limpinho
Na persecução do tal tetra,
Qu'o Miguel juntou-se à festa 
No Minho!

Na terra do governante,
Que muito lá festejou, 
Porque é braguista e gostou 
De perder lugar avante!?

E festejand'o empate
Só perderam pois o quarto, 
E isso dá de barato...
Qu'o Vitória não é parte!

E ganhand'o benfica 
Festeja-se em tod'o país,
E o governante é feliz 
P'la sua outra equipa!?

Ou com a única 
Pela qual o coração bate,
Porque o benfica tem arte 
Messiânica!

E conquista os corações
De Coimbra a Braga,
E do Algarve à azinhaga 
Das federações!

E nesse desiderato 
Lá apitou o Miguel,
Porque se lhe deu o papel 
Mais lato...

E nesse seu critério 
De grande juízo,
Só lhe deu pr'o prejuízo 
Quando tentou ser sério...

E não vendo faltas na área 
Ou motivo pr'a expulsão,
Apitou com coração 
E larga coronária...

E mesmo nessa paixão
De quem quer resolver,
Não lhe deu para vencer 
A decisão!

Pois qu'ele aí vem 
Com'o santo destino,
E qual será o gatuno 
Qu'agora vai apitar bem?

Qual será o árbitro 
Do nosso conselho,
S'o seguro morreu de velho
E nostálgico?

Qual será o convidado?
O Capela, o Paixão?
O Mostovoi, ou outro ladrão 
Do resultado?

Tu não me digas
Qu'é o Godinho?
O Ferreira do Minho?
Faz figas!!!

Ai, Jesus,
Se tu ganhas isto...
Nem que cá desça Cristo,
Te libertarás dessa cruz!

Pois s'eles, ex-aequo, 
Perdem este campeonato,
Cria-se um mecenato 
Pr'a lhes dar o caneco!

E já produz a Liga 
Outro único exemplar:
"A taça que se quis ganhar 
C'o rei na barriga!"...

Joker

Enviar um comentário
>