quarta-feira, 12 de abril de 2017

Blitzkrieg!!


Blitzkrieg!!

Estamos em guerra
Contr'os poderes instalados,
Contr'os "apitos dourados"
De quem nunca erra!

Estamos em luta 
Contr'os Goebbels da propaganda,
De quem tudo nisto manda 
Por sua batuta!

Estamos na defesa
Deste nosso território,
E o esforço não será inglório 
Contr'a torpeza!

Estamos avisados 
Que querem o seu "espaço vital",
E conquistar tod'o Portugal 
Como se fossem novos Estados...

Invadir tod'a "Europa"
Pr'a afirmar a "superioridade",
"Rácica" e d'identidade 
Utópica!

Não respeitar velhas fronteiras ,
De povos e de culturas, 
E avançar c'os "Andrés Venturas"
Nas "lagarteiras"...

Meter os Panzers na "Polónia"
Por tomada d'assalto, 
E concorrerem a um cargo alto 
Nessa "parvónia"...

Que não havendo "espaço vital"
Ali pr'os lados de Sintra,
Mete-se em Loures a quinta 
Coluna da capital!

As bandeiras desfraldadas 
C'o símbolo da "suástica",
Já ocupa por delegação "dinástica"
Tod'as estradas!

Vai o "Fuhrer" mandar a armada 
Das falanges ilegais,
E aluga carrinhas iguais 
Pr'a tomar a estrada...

É um Estado dentro do Estado 
Os ex-camisas "castanhas",
Que negras em tais entranhas 
Tem a sigla do potentado!

Não são S's mas N's
Invertidos na simbologia,
Qu'essa é a única via 
Dos "men's"!

Já não são "boys", mas soldados d'élite,
C'a sigla da "caveira",
E tem'a Terra inteira 
A força desta clubite!

Que nada respeita no avanço
Da sua blitzkrieg,
Que não há nação que se livre 
Do seu alcanço!

É um povo tentacular 
O novo "IV Reich",
E há ainda quem o ache 
De desprezar...

Qu'a cartilha 
Não é "a minha minha luta",
E qu'a Janela não oculta 
O resto da "(es)quadrilha"!

E qu'o gordo do Goering
Não domina já os céus,
E os seus aviões 
Não são os boeing!

São máquinas de precisão 
Que lançam bombas voadoras,
E que têm placas motoras 
Com televisão!

O antecedente do míssel telecomandado 
Está nas mãos do gordo!
E o qu'ele o usa com denodo 
De pau-mandado!

Pois c'o Fuhrer e o Goebells
É que mandam no "exército",
E nem o Himmler terá êxito 
Em Treblinka ou Auschwitz,

Se não ler nist'o panfleto 
Como regra de cartilha,
E tomar acção na sua "matilha"
De fato preto!

É preciso coordenar 
Esta guerra-relâmpago, 
Senão não se vai ao âmago 
Do s'ocupar...

Está tomada tod'a Europa
E o mundo vai a seguir!!
É preciso reagir 
Contra esta tropa!!

Não deixar os nosso créditos 
De resistência em mãos alheias,
E lutar contr'as alcateias
Destes "exércitos"!

São lobos com pele d'ovelha 
Que só pensam em vencer,
Pois têm ncessidade de comer 
A capuchinho e a "velha"!!!

Não nos fiemos nas "virgens
"Ofendidas",
Eles lutam p'las vidas 
Já com vertigens...

Já s'insurge o mundo livre 
Contr'a o "nacional-porreirismo",
E do regime deste "nazismo"
Que Deus nos livre!!

Vamos vencer esta guerra
Contr'os poderes de tal estado, 
E o mundo será libertado 
Contr'a quem berra!!

Essas palavras d'ordem
Numa língua áspera e dura, 
De quem se crê que perdura 
A sua "ordem"!!

Foi descobert'o código
Das transmissões "nazis",
E de como montavam os ardis 
Por ódio!!

Vai vingar a nova ordem
Que será, sim, mundial!
E até em Portugal 
Eles já perdem!!

Pois só ganham por influência 
Dos Tiagos, dos Capelas, 
Dos Ferreiras, dos magalas
Da continência!

Os espiões do antigo-eixo
Que saudosos do passado,
Ainda o têm por legado 
Deste desleixo!

Quando a vida er'a "correcta"
Nessa "ordem e trabalho",
E o ditador, a foice de talho,
Ajustav'a ordem certa!

E impunha por decreto 
A vitória dos "nazis",
E ajudava-os em tais barris 
De volfrâmio indiscreto...

É assim a ordem "certa" 
Que se quer reimplantar,
Porque há muito a conquistar 
Já nesta Tetra...

É o vingar do centralismo,
Da propaganda eficaz!
É o mundo que se faz 
Por despotismo...

E só vencendo esta luta 
Pode vingar a democracia!
E o mundo livre sej'a via 
De quem nos "escuta"...

(Discurso hipotético dum qualquer De Gaulle dos tempos modernos...)

Joker

Enviar um comentário
>