domingo, 23 de abril de 2017

Eles são mais!!...


Eles são mais!!...

Fechou-se a contagem 
Do máximo castigo,
E no jogo decisivo 
A eterna miragem...

Não temos arcaboiço
Pr'a esta disputa,
Há muito qu'a luta 
Se tem no enguiço...

Estamos vencidos 
E conformados, 
E somos derrotados 
Por vários motivos...

É preciso mudança,
Quiçá uma "revolução",
Um clube em transição 
D'esperança!

Não tenho soluções 
Nem remédios miraculosos,
Mas contr'os poderes mafiosos 
Pirras manifestações!?

Mais dois penáltis
Que não justificam tudo, 
Mas o Porto está mudo 
Contr'os "vermelhos lápis"...

Não desistem os dragões 
Em tempos de conflito, 
Mas sermos condenados ao mínimo grito
Contr'os lampiões?!

E nisso tolerar
Por conduta e cultura,
Qu'esta atitude da ditadura 
Pode continuar!?

Não se pode agir 
Com outra acutilância?
É esta a militância 
Que nos fará ressurgir?

Tenho dúvidas, confesso,
Sobr'o modelo a seguir, 
E estou farto d'arguir 
No insucesso...

Massacrado por derrotas,
Por decisões "arbitrais",
Por um país d'anormais 
Que gosta de ganhar em batotas...

O melhor é ser "autista",
É fingir que não se vê,
É seguir sem ver a TV
"Nacionalista"...

É mudar já de canal,
É viver outro paradigma,
É calar já esta rima 
Por ideal!

É viver dessas memórias
De vitórias retumbantes,
E sentir que nada será como dantes...
As supremas glórias!!!

É deixar vingar o regime
E viver o dia-a-dia, 
É esperar outra alegria 
In fine!?

Ver perder este Estado
E não já ganhar o Porto, 
É perceber que s'está morto 
Pr'a se ganhar por outro lado...

Tive sublimes momentos
Nesta minha causa portista,
E dessa memória activista 
Mudaram-se os tempos...

A história, diz-se,
É escrita p'los vencedores,
Qu'este dos novos perdedores, 
Demite-se!

E assim seguir avante 
Sem pensar em futebóis,
E quando lá vir bandeiras e cachecóis 
Desse vermelho berrante, 

Tomar-me por indiferente 
Por ser a bandeira do regime, 
E seguir no passo firme 
D'ex-combatente!

E nisso realizar 
Qu'a vida dá muitas voltas, 
E que depois das vitórias e derrotas 
Tod'o pó vai assentar...

Quiçá o da dita porta 
Um dia também assente,
Mas nesse dia mais à frente 
Já ninguém dará disso nota!

É com'o assassínio
Que se passa em rodapé,
Porqu'ao benfica se dá fé 
De "extermínio"!?

Essa cartilha armadilhada 
Que sustenta eternos ódios, 
E os poderes, serôdios 
Com a palhaçada!!?

Podem ainda continuar
A fecharem-nos os bancos, 
E a contrair-se novos empréstimos
Por quem nunca os irá pagar...

Este regime desigual 
Que tudo sustenta nos "seus",
E os outros são os plebeus 
De Portugal!

Por isso melhor calar 
A minha propensa desilusão, 
Que nem um título de campeão 
Ousaria animar...

Viver num mundo injusto
Onde não prevalece a justiça,
E onde vence a eterna cobiça,
Torna-me exausto...

Sou um crente d'ideais 
Que nunca hão-de vingar,
E por mais que possa gritar, 
Eles são mais!!...

São milhões!

;-)

Joker

Enviar um comentário
>