sábado, 10 de outubro de 2015

O general no seu labirinto



O general no seu labirinto

É dito qu’a guerra
É a diplomacia
Sem a fasquia
Qu’ela encerra

E nisso procura
Por outros meios
Ter mais morteiros
Do que cultura…

E tudo conta
No desiderato!
Ser-se cordato
Quando s’aponta?

Seja-se marechal
Ou mero soldado,
Luta-se dum lado
Contr’o outro, o mal!

E nisso tudo serve
Para se ganhar!
Que não basta lutar
Quando a luta ferve!

Há que reduzir
Essa condição:
Da humanização!
Pr’a podermos rir…



É só por piada
Esta equiparação…
Que na televisão
É algaraviada!

Teve-se por combate
Aquela “batalha”,
Como se de gentalha
S’esperasse empate!

Houve um “vencedor”
No “combate aberto”,
Pois qu’estava “certo”
Como comentador!

E era presidente
O homem da fala!
E quem é que se rala
Do ganho deprimente?

Pois chegou e disse
Sem provas ou factos,
Qu’ouviu boatos
Por coscuvilhice!

E tirou do saco
Um brinde-presente!
Do clube “diferente”,
E do dia, o prato!

Um pequeno brinde
Como recordação,
Pr’a agremiação (não perder)
Nem ao berlinde…

E nisso matou…
Mas não a “pantera”!
Mas tão só o Guerra
No qu’este (não) negou….

Chutando pr’a canto,
Lá chorou memórias!
E contou as estórias:
Que não existe manto!?

E o “presidente”
Rebentou c’o estúdio!
E só no interlúdio…
O Guerra Lhe fez frente!

Mas aí o médico
Não lhe curou as feridas,
Pois estavam prometidas
Como anestésico!

E pr’a testemunhar
Esse fim d(o)a Guerra,
O Barroso berra
Fora-do-lugar!

E de punho ao alto
Galgou a trincheira,
E não faltou asneira
Na guerra do palco…

E a TVI
Filmou em directo
Qu’o Bruno está certo
Só porque se ri!

E ao chamar o gordo
Venceu em celeuma!
Pois mudou o tema
Sem perder o todo!

Mas que general
Ali na pantalha!
Qu’isto de gentalha
Neste Portugal…

Tem honras de Tv
Em horário nobre!
E o rico e o pobre
É isto que vê!

Mas faço “mea culpa”
Pois que sou mortal…
E não de Portugal
Também vi a luta!!

E desde Cartagena
Lá pensei na porta…
A dezoito, aberta!!
E d(o) Guerra, pena!

Guerra?

Por: Joker
Enviar um comentário
>