sexta-feira, 19 de maio de 2017

Inland

Toque de Midas...


Inland

Há muito que se sabe
Quem nos roubou o BPN,
E o "crème de la crème"
É o presidente da SAD

Da instituição benfica,
Que ainda muito mais deve!
E s'o crime nos prescreve 
Quem na justiça acredita?

Um bilião d'euros 
Nas inland da nação,
Que se dizia pr'a construção 
De novos muros...

Mas alguns dos projectos
Não passaram do papel, 
Porq'uo dinheiro tem mel
Nos afectos...

É este o Estado
Onde todos pagamos, 
Pelos "erros" de tais fulanos 
Do "betão armado"...

E  empresário
Sem ramo definido, 
Que de arguído constituído 
Nem gerou comentários...

O nosso "público serviço"
De televisão,
Esqueceu-se de dizer à nação 
Qu'o Orelhas pode ir preso!?...

Porque lá arguído 
No processo BPN,
Não é notícia com N
Na Tv ond'é protegido!

E a maior menção
Do Lampião de Paredes,
Foi a colagem às redes  (ilegais)
D'apostas ao Dragão!?

As imagens da peça 
Onde se falava do crime,
Tinh'a menção qu'a define 
Possessa!

Querem associar 
O nome da nossa instituição,
A essa adulteração 
Onde não está a ganhar!?

Os espertos 
Da Tv "portuguesa",
Têm, nessa subtileza, 
"Bons métodos"!?

São os "Malatos"
Da taxa de televisão,
Que c'o meu imposto de transmissão 
Relatam "factos"...

Falam do crime
E mostram imagens do azul e branco, 
E qual não é o espanto 
No filme,

De se saber 
Qu'um dos actores principais, 
É um ex-jogador dos tais 
Que lá se fez crescer!?

O campeão de Riade 
Nunca trajou de brasão ao peito, 
E nisso com que direito 
O abuso nos cabe???

Não se pode acabar
C'a taxa?
Eu não vejo tal Tv na minha caixa;
Porque tenho qu'a pagar?

Serviço público?
Ao serviço de quem?
Eu sei bem
O seu alvo único!

Tod'a imagem negativa
Veste trajada d'azul e branco,
E o vermelho é sacrosanto 
Na peça transmitida!

É pura propaganda
A RTP, 
E quem lá a vê, 
O que tresanda!!

Um serviço público
Pago c'os meus impostos, 
E ver lá tantos rostos 
D'ódio...

Para quand'o separatismo
Nestes dois países?
Um a norte, com raízes,
E outro a sul, com estatismo?

Esta inland 
Há muito que está dividida,
Pois quem paga uma dívida 
Tão grande,

E, ainda assim
Finge que o país é soberano, 
Sabe que só existe um plano:
O fim!

Este país autista 
Não sabe qu'o Luís é arguído, 
Por um desfalque crescido, 
E falta-de-vista!?

Porqu'a "comunicação social"
Desta pequena nação,
Não a relevou, por condição 
"Editorial"!?...

É a livre imprensa
Desta inland
Porque há quem nela mande:
No Expresso, no Público, ou na Renascença...

E o respeito
É muito bonito!
E quem faz disso um escrito, 
Por crime perfeito,

Tem guia de marcha 
Como "jornalista",
Por falta-de-vista
De quem não s'agacha!

E nisso só "O Jogo"
Lá nos deu a notícia,
O qu'é uma enorme sevícia 
Pr'o povo!

Lá ver o Vieira
A ser arguído!?
- "O Jogo" está comprometido
C'a sua própria bandeira!

- E nisto dar notícias
Sobr'o nosso dinheiro?
O benfica é o nosso mealheiro!
Não lá metam as polícias!!

- Ou podem meter,
Mas só na Comissão d'Honra!
Qu'o Luís nunca desonra 
Quem pode comprometer!

E nesta inland
À beira-mar plantada,
"Não se passa nada"
C'o clube grande...

A não ser a porta,
Ou o motorista,
A a claque legalista...
Ou a natureza morta!?

Joker

Enviar um comentário
>