quarta-feira, 9 de julho de 2014

A torre do Olival

#FCPorto #Olival #Estoril #Tozé #Futebol #Barcelona #Espanha #Lopetegui #BluePunisher





A torre do Olival (localizada no centro de treinos e formação desportiva utilizado pelo FC Porto em Vila Nova de Gaia) ganhou notoriedade e celebrizou-se mal foi falada. Naturalmente anedotas sobre o assunto também apareceram.





Afinal não é uma ideia inovadora, pois já foi utilizada uma estrutura semelhante para os mesmos fins desta em Espanha pelo treinador Luís Henrique quando este treinava o Celta de Vigo (aquele clube simpático que ficou para sempre nos nossos corações ao presentear o clube do regime com uma chapa 7 inesquecível).

Ao que dizem o objetivo da tal torre metálica do Olival é permitir ao treinador ter uma melhor perspetiva das movimentações dos atletas em campo e ajudar nas correções táticas que poderão ser necessárias.

A “torre do Olival” consiste numa estrutura composta por uma torre com duas plataformas uma a cinco metros e outra a sete metros de altura, há quem a compare à torre de controlo dos aeroportos e por analogia direta diga que é a torre de controlo dos treinos da equipa do FC Porto para 2014/2015.

O objetivo desta estrutura metálica é uma utilização direta pelo treinador do FC Porto Julen Lopetegui, ou dos seus adjuntos, a partir da qual poderão captar imagens e/ou retirar elementos “para o papel” através da posição privilegiada de observação privilegiado que permite, acabando por ser uma um meio extra para ajudar no desempenho profissional da equipa técnica.

Alguns andam muito admirados com tal ideia, outros a contar anedotas (em especial os indigentes adversários do nosso Clube) e outros deliciam-se e aprovam a ideia, pois sentem que este treinador Espanhol que agora orienta o FC Porto não veio para brincar e sabe bem o que quer e para onde vai.

É igualmente inequívoco que uma mensagem forte está a ser passada os jogadores, ou vocês mostram empenho e afinco nos treinos ou então em boa linguagem futebolística “nem chegam a calçar nesta época”! Não bastava o olhar atento do treinador e da sua restante equipa técnica, ainda há filmagens dos treinos que podem ser utilizadas posteriormente. Os mandriões caso os haja não escaparão ao “Big Brother” instalado no Olival. É para o bem deles e mais ainda para bem do Clube que lhes paga vencimentos principescos.

Pessoalmente saúdo a ideia e apoio-a a 100%, parece-me que trará muitos benefícios, no entanto o tempo confirmará se assim é.

Uma vez que esta crónica anda em torno da temática do arranque da época desportiva 2014/2015 (finalmente!), nova equipa técnica do FC Porto, atletas, novas metodologias de trabalho e até nem que seja indiretamente constituição do plantel e negócios deste defeso, aproveito para expressar a minha indignação e espanto com os contornos do negócio “Tó ´Zé” com o Estoril.

Seria fastidioso escrever uma crónica sobre uma torre, a menos que tivesse sido projetada por um grande arquiteto de renome mundial e houvesse uma história interessante para contar.






Ora o “brilhante negócio” que a SAD do FC Porto fez foi o seguinte, cedeu o Tó Zé por empréstimo ao Estoril por 2 anos e ainda 35% do valor do seu passe! Diz-se que foi para baixar o valor do passe do Evandro. Esse Evandro “um jovem de 27 anos” deve ser algum “Maradona dos tempos modernos” tal a forma como a SAD decidiu ceder e fazer algo sem precedentes para o contratar.




Não me recordo de situações idênticas em anteriores empréstimos do FC Porto a outros clubes, que tenha existido também a cedência de percentagens de passes. Apetece-me escrever, expliquem-me lá este negócio como se eu fosse uma criança de 9 anos, não percebi nada! Patavina!

Inquieta-me este negócio porque provavelmente o Tó Zé será outro talento desperdiçado, não compreendo como ao menos o Tó Zé não foi chamado para fazer a pré-época, se não fizesse parte das escolhas finais do treinador, com certeza não faltariam clubes interessados para rodar pelo menos um ano.

O Tó Zé demonstrou grande qualidade e maturidade na equipa B, naturalmente a equipa A é outro mundo, outra realidade, no entanto mais do que justificava e merecia uma oportunidade nem que fosse iniciar a pré-época junto da equipa principal. Temo que não se tenha aprendido com erros do passado. Para quê termos formação e equipa B se depois existe uma espécie de “triângulo das Bermudas” que “suga os talentos” e os impede de sequer chegarem ao plantel principal?

A ser assim acabe-se com a formação e com a equipa B, pois parece que a SAD do FC Porto gosta mesmo é de “contratações exóticas” com sabores Latino-Americanos. Tenho de admitir que há alguns sinais positivos como a inclusão do Mikel (que infelicidade com a lesão grave força puto!), Gonçalo Paciência, Victor Garcia e o Kayembé vindos da equipa B. No final veremos quantos desses serão aproveitados.

Naturalmente se as coisas correrem bem e vencermos, ninguém questionará nada todos serão os maiores e os melhores, e toca ir para a Avenida dos Aliados festejar. Tenhamos espírito crítico e evitemos ter um comportamento de adepto “de rebanho” como vemos noutros clubes.





A finalizar ainda sobre o novo treinador, as suas ideias e métodos de trabalho, agrada-me saber que privilegia e quer um futebol de posse de bola, e que deu uma reprimenda ao Kelvin por ter tentado “fazer um bonito” (um passe de letra) em vez de ter jogado simples, resultando na perda da bola e da jogada.





Os jogadores têm de perceber que esses “malabarismos” ou “números de circo” devem ser evitados ao máximo, devem jogar simples e certo, pois primeiro estão os interesses do Clube, não se trata de um desporto individual mas sim coletivo onde todos devem saber qual o seu papel e devem cumpri-lo em prol do coletivo.

Em jogos onde há uma margem confortável no marcador ao ponto da vitória não escapar (não me refiro ao milhafre da etar do Colombo) aí sim podem tentar habilidades para entreter os espetadores. Fora desse contexto não faz sentido nem se atrevam!

Resta-me desejar boa sorte e felicidades à equipa técnica do FC Porto aos seus atletas e dirigentes para a época 2014/2015. Esperemos ter a felicidade, sorte e competência de fazer uma boa preparação, uma boa pré-temporada, sem mais lesões, com um plantel equilibrado e de grande qualidade, capaz de bater-se olhos nos olhos frente a qualquer equipa sem medos. E assim o FC Porto vá crescendo e solidificando conceitos e mecanismos, de forma a voltar a trazer-nos alegrias e voltar a encher o Estádio do Dragão durante a época porque para além de vencer tem um futebol atrativo, vistoso, que dá gosto ver.




 Por: BluePunisher







Enviar um comentário
>