domingo, 20 de julho de 2014

Genk 1 - 3 FC Porto - Um bom primeiro passo

#FCPorto #Sami #Pré-época #Tello #Adrián #Bélgica

Fotografia © Fábio Poço / Global Imagens
Estamos na pré-época. Altura do ano em que se testa jogadores, que as pernas ainda estão presas e cansadas, altura do ano em que ainda se tenta assimilar novos conceitos e movimentações. Ganhar é sempre agradável mas não é o mais importante. 

Este foi apenas o primeiro desafio com uma equipa de primeira divisão. Todas as análises que possam existir carecem obviamente de uma confirmação, até porque ainda veremos muitas entradas e algumas saídas. Faltam alguns mundialistas, algumas novas contratações ainda não treinaram. Outros vão sair. Por isso nesta altura, nenhum bom jogo é motivo para nos colocarmos em bicos de pés nem nenhum erro é grave o suficiente para se colocar o quer que seja em causa. 

Apenas vemos sinais. Hoje esses sinais foram positivos e já vimos características que Lopetegui tenta implementar. 

Comecemos por aí. A identidade do FC Porto 2014/15 começa a formar-se. Uma equipa dominadora, que gosta de ter bola, que se sente bem a circulá-la. O passe curto reina mas a profundidade e a largura no jogo não é esquecida. Equipa subida no terreno, defesa na linha do meio campo e vários jogadores a envolverem-se nos movimentos ofensivos. Sem bola, pressão alta e intensa, "asfixiar" o adversário imediatamente.

Para o onze inicial algumas curiosidades. O quarteto defensivo transitou da época passada. No meio campo Josué foi o médio mais recuado, sinal da importância que é dada a uma boa circulação desde as primeiras linhas. Os reforços começaram a ver-se mais na frente. Óliver acompanhava Carlos Eduardo no meio campo. No ataque as alas estavam entregues a Quaresma e ao rápido Tello. Adrián Lopez começou como avançado ao contrário do jogo anterior onde esteve numa ala.

A pressão alta que Lopetegui exige trouxe frutos logo no início do jogo. Defesa central adversário com a bola, médio imediatamente em cima. Neste caso o médio foi Carlos Eduardo. Recuperou a bola e tabelou com Adrián antes de ganhar espaço para o remate. Quaresma na recarga marcou. 

Nos primeiros 15/20 minutos cada vez que um defesa adversário tinha a bola adivinhava-se perigo para a sua baliza. Isto porque durante este início ainda todos conseguiam ter fôlego, a pressão era feita em bloco. Um dos melhores sinais na 1ª parte. Como é óbvio ainda não há entrosamento nem pernas que permitam pressionar assim todo o tempo. Vimos neste período algum espaço entre os médios ofensivos e o defensivo. Normal nesta fase. 

Um dos perigos de uma equipa que tenta jogar a bola e sair sempre que possível a jogar é uma possível perda por um mau passe ou outro erro individual. Reyes errou. Passe lateralizado mal executado que deixou o avançado contrário frente a Fabiano. Nada de demasiado alarmante, apenas um sinal que ainda há muito trabalho para fazer. 

Também uma nota para o adiantamento da linha defensiva. No 1º tempo (muito melhores na etapa complementar) os laterais permitiram a entrada dos adversários com bolas nas suas costas. 

À medida que o tempo passava, o ritmo diminuía. Víamos entrega (que bom esta atitude!), noção do que fazer e como fazer mas também cansaço e falta de conhecimento das movimentações de alguns jogadores. O intervalo chegou em boa altura!

As habituais trocas ao intervalo aconteceram. Lopetegui optou por Ruben Neves, Herrera e Ricardo. Kelvin e Sami entraram pouco depois. 

O Porto estava a começar a ser mais consistente na troca de bola e na ocupação dos espaços com estas entradas. O bloco estava mais junto, a trocar melhor a bola e a defender melhor.

Não tardou até que nos colocássemos novamente em vantagem. Um lance em que intervieram 2 jogadores que tinham iniciado no banco. Canto de Ruben Neves e Sami com um bom movimento a cabecear colocado. Bom golo. As bolas paradas parecem estar a ser bem trabalhadas.

Foi uma 2ª parte muito satisfatória. Tirando um lance que surgiu por outro erro individual a baliza de Fabiano raramente viu perigo. No baliza adversária o contrário. Boas movimentações, boas aberturas, velocidade e objectividade qb.

Um lance que exemplifica tudo isso foi o golo final. Recuperação de bola e Ricardo arranca pela esquerda. À entrada da área passe para Sami na zona central. Boa recepção e ainda fora da área remate seco, rasteiro e colocado. Um bom golo deste reforço, o 2º da conta pessoal, a culminar uma bela exibição!

Foi um teste positivo que fechou esta fase do estágio em Horst. Colectivamente a mostrar muito trabalho efectuado. Individualmente com belas exibições. O próximo será na próxima semana no jogo de apresentação aos sócios. Veremos se os sinais positivos dados até agora têm continuidade. Temos razões para acreditar que sim.

Gostaria de terminar esta parte da crónica com quem já mostrou estar em boa forma. Os nossos adeptos. Hoje fizeram-se ouvir quase todo o jogo. Para continuar também. A nossa parte começa agora... 




Análises individuais:

Fabiano: É um bom guarda-redes mas percebe-se que ainda não está totalmente confortável. Entre os postes seguro como sempre. Também ele está a adaptar-se a uma nova realidade e precisa de treinar como e quando ocupar aqueles metros á sua frente. O jogo de pés está melhor mas ainda precisa de mais. 

Danilo: Mais seguro defensivamente que o lateral contrário. O nosso lateral é como um motor a diesel. Demora mais tempo a chegar ao topo mas é de uma fiabilidade tremenda. 

Maicon: Bom jogo. Na 1ª parte sofreu com a insegurança de Reyes mas tentou sempre orientar e socorrer o companheiro. Na 2ª parte foi imperial. Inteligente na maioria das abordagens aos lances. Em situações de aperto não tem receio de jogar feio e aliviar. Se estiver bem fisicamente poderemos ter o "velho" Maicon, aquele que comanda uma defesa de volta.

Reyes: Defensivamente cumpriu mas revelou muita ingenuidade ao tentar sair a jogar. Em sua defesa convém referir que jogou pelo lado esquerdo da defesa, lugar que não deve ser o seu devido a Indi e talvez Marcano, dois canhotos. No lado direito sente-se bem melhor.

Alex Sandro: Na 1ª parte alarmou pela quantidade de bolas que deixou entrar nas suas costas. A fechar no meio um ou outro erro. Na 2ª parte melhorou. Já sabemos o que vale podemos estar tranquilos, apenas se nota que ainda precisa de mais treino...

Josué: Surpreendeu a sua colocação como 6. Seguro no passe, ficou na retina alguns passes longos a abrir o jogo nas laterais. Defensivamente teve dificuldades em preencher uma área tão grande.

Carlos Eduardo: Entrou a todo o gás. Logo numa das primeiras jogadas a pressionar o central. Repetiu passado uns minutos e na consequência da sua recuperação de bola surgiu o 1º golo. Saiu ao intervalo mas pode estar satisfeito, cumpriu e mostrou disponibilidade e capacidade de sacrificio. Tecnicamente já sabemos que é bom. 

Óliver: Não engana. A bola é sempre bem tratada. Recebe e entrega com qualidade. Ainda tentou o remate mas não teve sucesso hoje. Sempre em movimento como o jogo pedido por Lopetegui pede. 

Quaresma: Solidário, objectivo, talentoso. Se era para jogar simples jogava simples. Se a jogada pedia que avançasse ele era o que acontecia. Marcou e construiu algumas jogadas, com destaque para uma assistência para remate de Óliver. 

Tello: Rápido. Se arranca cria perigo. Tem boa técnica e sabe construir. Assistiu Carlos Eduardo após boa arrancada pela esquerda. Ainda se está a adaptar e a conhecer os colegas mas pode ser muito importante. 

Adrián: Ainda está numa fase inicial da sua preparação, mais atrasado que os companheiros. Nota-se. para quem o conhece sabe que está ali um avançado talentoso. Seja pelo meio ou por um flanco. Nem sempre acertou mas mostrou pormenores. Esteve na jogada do golo inaugural e teve um bom cabeceamento. 

Ruben Neves: Jogador de 17 anos com inteligência de um veterano. Exímio na ocupação dos espaços, transmitiu muita segurança. Nunca esteve mal posicionado. Jogou simples e foi eficaz. Um grande jogo a mostrar porque foi opção de Lopetegui em todos os desafios até agora. Embora tenha idade de júnior de 1º ano tem talento para bem mais que a nossa equipa sub-19. Não seria uma boa aposta para mostrar aquilo que se quer como lema? Não há 3 equipas (sub 19, B e principal) mas sim uma equipa única. Que melhor maneira de ter um júnior a evoluir regularmente numa competição profissional?

Herrera: Bom jogo, a mostrar mais uma vez que está adaptado. As suas arrancadas criaram duas situações de perigo, uma pela esquerda, outra a abrir para Danilo na direita. Tem características únicas que podem ser de extrema utilidade. 

Ricardo: Entrou determinado. Jogou na sua posição natural mas notou-se o trabalho que fez enquamto lateral. Recuperou algumas bolas foi solidário com o lateral do seu lado. Uma dessas recuperações deu origem ao 3º golo, numa jogada em que assistiu Sami.

Kelvin: Sempre que faz uma boa jogada os adeptos do Porto sorriem. Lopetegui hoje sorriu quando depois da finta soube perceber que era aconselhavel travar e procurar apoio. 

Sami: Temos tido diversas contratações de renome. Sami não foi uma delas. Contudo neste 1º teste emitido para Portugal foi o MVP. Está a conquistar o seu espaço. Hoje fez um jogaço! Pouco mais de meia hora em campo. Fez 2 golos, esteve perto de marcar noutras tantas. Pressionou e trabalhou muito. 

Evandro: Raramente falha um passe e entendeu-se bem com Herrera. 

Lichnovsky: Divide as culpas com Fabiano num lance que levou perigo à nossa baliza. Foi a única falha. Tem feito uma boa pré-época e pode ser uma agradável surpresa. 


Por: Paulinho Santos



Enviar um comentário
>