segunda-feira, 4 de maio de 2015

Portismo manso!

#BluePunisher #FCPorto


É com grande preocupação que observo o estado atual do FC Porto. Instalou-se no Clube uma tendência para a “acomodação”, “encolher de ombros”, “habituar-se ao insucesso”, incapacidade de reagir à adversidade, enfim aos poucos está a perder-se a Mística que causava respeito e medo aos nossos adversários.

Até no hóquei em patins que costumava ser a seguir ao futebol a modalidade tida como exemplo de boa gestão e bons resultados no FC Porto, já somos humilhados com goleadas frente ao colo colo de Carnide e somamos insucessos atrás de insucessos, inclusivamente em competições europeias. Para quando uma mudança na equipa técnica atual liderada por Tó Neves que infelizmente demonstra não ter “unhas para tocar esta guitarra”?

De fato as últimas semanas de Abril foram muito duras para todos os Portistas, depois do renascer da esperança, e do que parecia o “ressurgir do Porto à Porto” frente ao poderoso Bayern de Munique no Estádio do Dragão, eis que a equipa regressa a Portugal vergado por uma pesada derrota, que igualou o pior registo de sempre em competições europeias (derrota por 6-1 ante ao AEK de Atenas).

Não podemos escamotear que fomos muito infelizes com o sorteio da Liga dos Campeões, calhou-nos claramente a “fava” com estes alemães que mais parecem uma máquina trituradora sem dó nem piedade! 

É louvável e épico o jogo da primeira mão no Estádio do Dragão ante o Bayern de Munique, que colocou o mundo do futebol em choque e deu prestígio ao FC Porto, uma equipa que para além de conseguir o improvável feito de vencer o gigante alemão, ainda o dominou e vulgarizou. Não está ao alcance de todos! Equipa técnica e jogadores executaram tudo na perfeição naquele dia, foi um dia em que tudo correu bem.

Pairava a dúvida no ar se o FC Porto resistiria à visita a Munique, ainda por cima desfalcado dos seus laterais titulares e sem substitutos à altura para os mesmos. A resposta rapidamente surgiu e de forma dolorosa para todos nós, não tínhamos “pedalada” para o Bayern daquele dia, que nos “esmagou” sem dó nem piedade! 

Apesar das limitações com que o FC Porto jogou em Munique, a maioria daqueles que jogaram demonstraram não ter ainda estaleca para confrontos daquele nível, alguns se calhar nunca terão!

Igualmente fomos infelizes com o calendário de competições que nos calhou, em virtude de após um jogo tão marcante, desmotivador e cansativo na Alemanha, ter uma deslocação decisiva ao reduto do colo colo. 

Por incapacidade própria e influências grosseiras e criminosas dos árbitros a favor do colo colo, não conseguimos assegurar uma vantagem pontual confortável que nos colocaria em boa posição para conquistar o campeonato antes do clássico em Lisboa.

Naturalmente, para apenas confirmar a “tendência” desta época fomos novamente prejudicados pela arbitragem no “galinheiro”. Um penalti clamoroso, limpinho, limpinho sobre o Jackson cometido pelo tal “central de eleição” que todas as épocas segundo os pasquins lisboetas têm meia Europa interessada e sairá por uma soma astronómica e acaba sempre por ficar! 

Cartões disparatados para os nossos jogadores e a habitual complacência com a agressividade dos jogadores do colo colo, com vários cartões por mostrar aos mesmos. É apenas mais do mesmo, a diferença é que em tempos o FC Porto conseguia fazer das dificuldades e dos ataques que era alvo uma dose de motivação extra, ninguém desistia, tinha medo ou “dava o flanco”, para contra tudo e contra todos impor-se e conseguir os seus objetivos. Hoje em dia é muito diferente!

Em conjunto com a tremenda derrota na Alemanha e as marcas que deixou, o empate no reduto do colo colo de Carnide deixou no ar a sensação que o campeonato está definitivamente perdido, embora matematicamente ainda seja possível. O céu parece estar a desabar sobre o FC Porto, num ápice tudo pode estar perdido esta época!

O FC Porto não fez tudo o que devia e podia nesse jogo para vencer, e isso ainda custa mais! Vimos um Brahimi muito aquém do que pode e sabe fazer sair a passo quando foi substituído, como se estivéssemos a vencer naquele período do jogo, e ainda abraços, beijos e trocas de camisolas com o adversário que é apenas o “maior inimigo” do FC Porto e tudo tem feito para literalmente destruir o FC Porto.

Os jogadores do FC Porto esqueceram subitamente a fraude que tem sido este campeonato e restantes competições internas? Como o colo colo tem sido sistematicamente beneficiado? Estes atletas não têm orgulho próprio, não se sabem dar ao respeito, pois é em grande parte o seu trabalho que está a ser sabotado, atirado “pelo cano abaixo”, isso não lhes causa mágoa? Enfim há coisas que por mais que tente não compreendo!

Se calhar ao observar como os dirigentes máximos do FC Porto optam por remeter-se ao silêncio apesar dos continuados roubos a favor do colo colo, e também cirurgicamente aplicados ao Clube, os jogadores ficam também indiferentes e “amnésicos” perante o que se passa. É algo que é propagado do topo para a base da “pirâmide”. 

Aproveito já agora para deixar outra pergunta para reflexão, acham que os atuais capitães que o FC Porto tem, são jogadores com o perfil adequado para tal? Não serão demasiadamente politicamente corretos, “low profile” e introvertidos? Com as opções atuais no plantel e a dramática falta de referências no balneário até posso compreender as escolhas, mas é algo que dá para pensar!

Igualmente noto que temos uns centrais “muito macios” que não impõem respeito aos adversários, não quero com isto dizer que devem dar “paulada em tudo o que mexe” como outros fazem. A falta de solidez defensiva de que temos sofrido se calhar tem explicação no fato acima mencionado, e talvez no drama de alguns dos centrais provavelmente nem terem categoria para jogar no FC Porto. O tempo dirá … 

Ainda fomos uns tipos “porreiros e bem-educados” e demos entrevistas à benficatv, pode ser que alguns “beijoqueiros da ocasião” arranjem lá um emprego como comentadores, nunca se sabe! Não fosse aquele arrufo do Lopetegui com o Jesus e teria sido tudo tão bonito e “cor-de-rosa” na perspetiva do adversário é claro!

Sobre esse arrufo pouco importa se o “labrego catedrático” troca o nome do Basco de propósito, mas quem espera que o convencido, arrogante e emproado técnico do colo colo tenha um comportamento distinto do habitual chico esperto, inconveniente, bronco e violento, não o conhece! 

Analisem o seu registo e vejam a sucessão de casos e broncas, naturalmente porque nunca foi devidamente punido e por sentir que está sempre protegido e acima da lei, e assim continua a exibir o mesmo tipo de comportamento e sobranceria.

Confesso que trocava essa espécie de “número de circo” entre treinadores por uma vitória nesse jogo que nos daria outro alento e perspetivas. Apesar de tudo o que sucedeu nesta época sou apologista em manter Julen Lopetegui para a próxima época, e no fim avalia-se o seu trabalho. 

É bom não esquecer que Lopetegui recebeu um balneário em “cacos”, inúmeros jogadores novos, teve de formar uma nova equipa e fez uma boa campanha prestigiante na Liga dos Campeões o que possibilitou um importante encaixe financeiro.

Sabe a pouco porque não somos um clube de vitórias morais, mas quer gostemos ou não, estamos novamente a construir uma equipa do zero, e o preço a pagar foi alto, não por mérito do colo colo, mas sim pela imposição duma “espécie de desígnio nacional” que visa a todo o custo levar o clube do regime ao bicampeonato.

Lopetegui é teimoso, errou é certo, mas sem os campos que foram sendo inclinados e pontos oferecidos indevidamente a uns e retirados a outros iria à frente mesmo nesta fase da época! Bastariam arbitragens isentas, algo utópico em Portugal. 

Após o jogo na Luz o Bernardino Barros teve uma excelente intervenção com a qual concordo integralmente, em que como grande Portista que é, expôs a nu a grande dor que lhe ia na alma, e o seu espanto e descontentamento com o que se anda a passar no FC Porto e a atitude exibida nesse encontro pelos jogadores do minuto 1 ao 90. 

Lima Pereira antiga glória do FC Porto, proferiu uma frase que acertou na “mouche” também: “Eu nunca troquei uma camisola com um jogador do sporting e do benfica. Não merecem”. Ai como entendo estas palavras! Como senti uma revolta profunda, tipo uma erupção vinda dos confins da alma, uma vontade de ter estado perto dos “patetas perdedores alegres” que vestiam de azul e branco e tiveram tal gesto, iam ouvir das boas!

Hoje em dia o FC Porto é um clube aburguesado, os dirigentes da $AD no conforto dos seus gabinetes, ganham os seus chorudos vencimentos, até recebem prémios por um terceiro lugar, pasmem-se! E parecem pouco dispostos a sair da sua zona de conforto para defender os interesses e bom nome do Clube. 

Todos caluniam, difamam e troçam do Clube, os “roubos arbitrais” sucedem-se em todas as competições internas, e não há reação da estrutura diretiva, de quem está no topo, excecionalmente com a nomeação de João Capela para o jogo do colo colo neste fim-de-semana gerou finalmente uma reação oficial do Clube. Parece que já é demasiado tarde para remediar o que já não tem remédio.

Apesar de tarde a estrutura diretiva do FC Porto acordou e decidiu fazer alguma coisa, comentou e indignou-se com a segunda nomeação do árbitro Capela para um jogo do Gil Vicente ante o colo colo, especialmente pelo desastre que foi a arbitragem do jogo anterior, e dado a resposta ao “catedrático” no que se refere a trocas de nomes. 

Infelizmente tem sido Julen Lopetegui na maior parte do tempo a assumir a defesa dos interesses do Clube, relativamente ao que se passa dentro das quatro linhas, desgastando-se duma forma que não deveria suceder, se temos um departamento de comunicação, serve apenas para criar uns “tachos” para alguns privilegiados? Afinal qual é a utilidade desse departamento? 

Há muito tempo que tenho vindo a escrever que o FC Porto tem de rever urgentemente a sua estratégia de comunicação. Não aceito o argumento que pelo fato do colo colo ser o clube do regime e dominar de forma inequívoca a esmagadora maioria dos media nacionais, e assim “fabricar e vender” a “verdade que lhe convém” nada podermos fazer quanto a isso! 

Temos um canal de televisão, uma revista oficial mensal e presença oficial nas principais redes sociais na internet, os senhores do departamento de comunicação devem colocar as suas massas cinzentas em funcionamento e justificar os principescos vencimentos e privilégios que usufruem. Não tenho nada contra quem recebe bons vencimentos e tem regalias, desde que o fruto do seu trabalho produza proveitos para a entidade empregadora que justifique estas recompensas!

O que fizeram ao longo desta época (nem analiso as anteriores desde o fétido boato do apito dourado) para desmontar as mentiras e difamação de que o Clube foi alvo, e para dar voz à enorme indignação que sentimos sobre as arbitragens entre muros? É uma questão para refletir.  

Aproveito para relembrar o que foi o famigerado processo “Apito Dourado” no que toca ao FC Porto. Foi um processo despoletado há mais ou menos doze anos, e após escutas telefónicas ao Presidente do FC Porto, incidiu na investigação de dois jogos em que haviam suspeitas de eventuais favorecimentos ao FC Porto, esses jogos foram: FC Porto x Estrela da Amadora e Beira Mar x FC Porto. 

Nessa época José Mourinho treinava o FC Porto e fomos campeões europeus! E já agora foram contratados peritos de arbitragem, para passar a pente fino esses jogos “suspeitos” e nada encontraram, o que é caricato é que até declararam que o FC Porto tinha sido prejudicado por algumas decisões nesses jogos, tais como cartões por mostrar ou foras de jogo mal assinalados.

Ora em virtude do exposto nos dois parágrafos anteriores a minha pergunta de “um milhão de euros” diretamente destinada à FC Porto $AD é: Até quando vão continuar a deixar-se condicionar pelos reflexos do processo Apito Dourado, e não agir como devem para assegurar a defesa intransigente dos interesses e bom nome do FC Porto? 

O processo “apito dourado” foi uma mega fraude, apenas serviu para condicionar os árbitros para no futuro terem pânico de errar a favor do FC Porto. Passaram ao “lado” dos investigadores interessantes declarações de Luís Filipe Vieira em que prometia fazer as coisas “pelo outro lado” se o Major Valentim Loureiro não lhe desse o que queria. Curiosamente os investigadores nunca se preocuparam em “dissecar” essas declarações e o seu real significado. Enfim, critérios!

Se não retirarmos valiosos ensinamentos e aprendermos com os nossos erros após tudo o que sucedeu nesta época que ainda não terminou, arriscamo-nos a fazer a “mesma figura” para a próxima época voltando a ser os “simpáticos Andrades que ao atravessar a ponte já estão a perder”. É isso que queremos? É este o FC Porto que a atual $AD planeou e projetou? Quando terá termo o atual “Portismo Manso” vigente? 

Nos dias que correm em que o futebol é cada vez mais um negócio em vez de um desporto, onde somas astronómicas são movimentadas, e o conceito de “amor à camisola” já foi “chão que deu uvas”, os jogadores de hoje têm tudo de forma muito mais fácil que outrora, apenas pensam em conseguir grandes contratos, e é essa a bitola pela qual se regem. ´

Pouco lhes importa se ganham ou perdem, o chorudo cheque chega sempre independentemente da vicissitude dos resultados. Aqueles que têm uma réstia de profissionalismo e espírito de campeão até poderão ficar frustrados e chateados com as derrotas e insucessos, mostrando-o em campo em futuros jogos, mas infelizmente para o mundo do futebol e para o nosso Clube em particular, esses atletas são cada vez mais raros.

Quando vejo jogos do FC Porto do passado, especialmente aqueles em que subimos ao “Olimpo do futebol” conquistando prestigiados trofeus internacionais, fico arrepiado ao ver que jogadores tínhamos então e como honravam a camisola que vestiam. É claro que só podemos sentir saudades desses “homens de barba rija”. 

Os jogadores da atualidade passam o seu tempo a partilhar banalidades em redes sociais, a fazer as tatuagens “da moda”, preocupados com qual será a “próxima bomba” que comprarão para orgulhosamente exibir a caminho dos treinos e no regresso dos mesmos e a desdobrar-se em declarações fora de tempo sobre saídas ou melhorias contratuais. 

A sua cabeça está ocupada com tudo menos com os interesses do Clube que lhes paga o ordenado e que ajuda na projeção da sua carreira. Há tantos exemplos de jogadores completamente desconhecidos, por vezes perdidos em divisões secundárias ou clubes de pequena dimensão, que são descobertos graças à visão de alguém. 

Esses “ilustres desconhecidos” têm assim a oportunidade de crescer profissionalmente, pessoalmente e de ter a vida com que sempre sonharam, mas rapidamente esquecem donde veio o benefício da dúvida e qual foi “a mão amiga” que foi oferecida e lhes permitiu estarem onde estão. 

É normal que exista no ser humano a vontade de ter mais e melhor, mas ao menos exista respeito e consideração no momento e forma de escolher a quebra de ligação ao Clube que os descobriu e “os fez”.

A terminar deixo um alerta à FC Porto SAD, há infelizmente no país um ódio crescente, insano e perigoso ao Clube, sucedem-se casos e mais casos de intimidação e violência preocupantes e temo que aconteça uma tragédia um dia destes.

É necessário reagir no momento oportuno e acionar tudo o que tiver ao alcance do Clube, para garantir aos seus adeptos as indispensáveis condições de segurança em deslocações aos recintos desportivos espalhados pelo país. E se acontecer algo que coloque em causa a segurança dos “nossos” exigir até ao limite responsabilidades e punições sempre de forma intransigente, sem baixar os braços.

FC Porto a vencer desde 1893!
A Chama do Dragão é Eterna!
FC Porto sempre!


Por: BluePunisher
Enviar um comentário
>