sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Mais do mesmo!

#FCPorto #BluePunisher #Benfica

Antes do arranque oficial da época 2015/2016 o futebol português fez questão de novamente brindar-nos com rábulas, situações caricatas e escândalos do tamanho do mundo!

Realizaram-se eleições na liga de clubes e Luís Duque foi derrotado dando lugar ao ex-árbitro Pedro Proença. Entretanto noutro “tabuleiro de jogo” a Federação Portuguesa de Futebol dando “seguimento” ao parecer entregue pelo responsável do conselho de arbitragem, Vítor Pereira, chumbou o sorteio dos árbitros.

Este chumbo não deverá causar surpresa a ninguém sabendo-se como as coisas são “cozinhadas” nos “bastidores do futebol lusitano”. Em “vésperas” da tomada desta decisão Luís Filipe Vieira foi visto a almoçar ou jantar (não me recordo) com o presidente da federação Fernando Gomes.

Já antes Vítor Pereira chefe dos árbitros tinha indicado o “caminho”, entregando um parecer com vários pontos a justificar o porquê da sua posição em chumbar o sorteio dos árbitros, pois “poderia colocar em causa a credibilidade do futebol português”. Se não fosse um assunto tão sério só daria para rir e rebolar de riso!

Aqui está mais uma prova de que apesar de toda a propaganda dos media a soldo dos interesses do colo colo de Carnide, o FC Porto e o seu Presidente não tem a influência que dizem ter. Com um seu ex-dirigente a presidir a federação não consegue aprovar o sorteio dos árbitros, apesar de ser a vontade da maioria dos associados da liga de clubes!

Se tudo isto não bastasse, Vítor Pereira (chefe dos árbitros) num exercício de hipocrisia suprema, veio a público afirmar a sua disponibilidade para “debater o processo de nomeações e os respetivos critérios” com o recém-eleito presidente da liga de clubes Pedro Proença. Mais fumo lançado para baralhar e ocultar!

O critério está bem claro com os homens do apito escolhido logo para a primeira jornada, o FC Porto está mais que avisado, e tem de ser competente o suficiente para não colocar-se a jeito dos “critérios” de Vítor Pereira.

Calhou “em sorte” o árbitro Fábio Veríssimo para o embate no Estádio do Dragão ante ao Vitória de Guimarães, deve ser um grande talento da arbitragem portuguesa, um “diamante por lapidar”, caso contrário Vítor Pereira tão preocupado com “a credibilidade do futebol português” não o teria nomeado!

Continuando a “dissecar os critérios” do chefe dos árbitros, este designou para o jogo em Tondela do sporting de um Jesus em “estado de graça” Carlos Xistra, outro grande “valor” da arbitragem como tem tido oportunidade de demonstrar. A cereja no topo do bolo é alcançada com o inexperiente Tiago Martins na “catedral”, outro “grande valor”! Sendo prematuro começar já a fazer conjeturas fica gravado para memória futura e veremos no que dá.

No mínimo o bom senso recomendava para os jogos dos crónicos candidatos ao título outro tipo de cuidado e sensibilidade. Mas Vítor Pereira já mostrou não ser capaz de passar disto, a sua atuação lembra a inconveniência e caos que um elefante é capaz de gerar numa loja de porcelanas. 

Se não age de forma premeditada então é mesmo um caso crónico de incompetência que urge purgar e quanto mais rápido melhor! Havendo premeditação é algo para análise e investigação das instâncias judiciais, que habitualmente mostram um certo “bocejo e desinteresse” por tudo o que não tenha a ver com o FC Porto diretamente.

A título de curiosidade para não ficar no ar um conjunto de dúvidas sobre este árbitro “desconhecido” que estará no Dragão, tem no seu “maravilhoso curriculum” o fato de nunca ter arbitrado um jogo do FC Porto, colo colo de Carnide, sporting ou até mesmo do Sporting de Braga. 

Em Novembro andava a arbitrar pelos campeonatos distritais e dizem por “aí” que foi promovido a internacional sem a experiência necessária, contrariando as diretrizes da FIFA. 

Tem também o recorde na amostragem de cartões em Portugal numa época, mostrou 232 cartões na última época, dando uma média de 6.5 cartões por jogo e em 48% dos jogos que arbitrou expulsou pelo menos um jogador!  Portanto vem ao Dragão com um “grande selo de qualidade” como podem os leitores constatar!

Muito interessante mesmo esta nomeação! Tem com certeza todas as condições reunidas para agradar ao “padrinho” que o colocou no caminho do FC Porto, e aumentar o nível de dificuldade que nos espera.

O FC Porto está avisado, por favor não voltem a ser “anjinhos” como no passado, e entrem no jogo frente ao Vitória de Guimarães com atitude vencedora desde o primeiro minuto, a chave passa por marcar cedo e ir sabendo gerir o jogo. 

Não convém esperar por “benesses” deste árbitro, tipo punir a violência dos adversários, penaltis a nosso favor, foras de jogo bem ajuizados, pois com a “folha de serviços” que apresenta só podemos preparar-nos para o pior.

Perante isto qual é o sinal que Vítor Pereira e a Federação querem dar? Reflitam, eu tenho a minha opinião que para já fica comigo. O festa do tri é que era, isso sim regenerava o país e recuperava a economia! E mais não digo ou escrevo!

Cabe ao FC Porto, aos seus atletas, equipa técnica e dirigentes “cerrarem os dentes” e avançarem de forma confiante e imbuída de espírito guerreiro para uma “caminhada” que se prevê árdua e cheia de armadilhas.

Os fatos anteriormente mencionados demonstram que pouco importa quem preside à liga de clubes pois o poder foi “esvaziado” deste organismo, e transferido às claras para a alçada da Federação Portuguesa de Futebol.

Depois das denúncias de extrema gravidade do árbitro recentemente despromovido Marco Ferreira, colocando em causa a honestidade, imparcialidade e condições de Vítor Pereira em manter-se no cargo, tudo ficou igual e as autoridades não tiveram qualquer tipo de interesse em investigar.

 Afinal quando o colo colo de Carnide ganha há “transparência” no “nosso futebol indígena”, a história tem demonstrado que assim é, e não convém perturbar ou colocar e causa a “paz podre e orgasmos” que estes momentos proporcionam aos “poderes instituídos”.
O FC Porto tem estado algo “aburguesado” e passivo nestes acontecimentos, parece estar tão confundido e incapaz como muitos outros agentes desportivos que tentam perceber como acabar com este estado de coisas.

Há denúncias, acusações, indignação de vários quadrantes, mas infelizmente o tempo passa e tudo fica igual, a bem das conveniências do colo colo de Carnide naturalmente.
Não acreditem nas fragilidades que muita imprensa e media chora com “lágrimas de crocodilo” sobre o atual plantel e equipa técnica do colo colo de Carnide, os “verdadeiros reforços” deles irão juntar-se ao longo das competições internas disfarçados com apitos na boca, bandeirinhas de fora de jogo e demais adereços!
A grande curiosidade para nova época 2015/2016 será ver o que será permitido ao Jorge Jesus e até que ponto pode ser também levado ao colo no sporting. Será que era só um privilégio que tinha no colo colo de Carnide?

Jorge Jesus voltou a demonstrar que não sabe ganhar para além de nunca saber perder. Após ter conquistado a supertaça Cândido de Oliveira voltou a demonstrar falta de classe e de desportivismo, algo que não espanta, apenas mostra o que é, não adianta tentar disfarçar. Razão tinha um certo colega de profissão quando falou em vinténs e cretinos.

Espero que não seja depositada novamente em Julen Lopetegui a responsabilidade de fazer as denúncias que se impõem ao longo da época, estou a assumir que as haverá pois pensar que o manto protetor acabou é demasiado otimista. Será curioso verificar se o manto protetor fica no mesmo lugar ontem tem estado, ou se transita para as vizinhanças, onde mora agora o treinador “ganhador” segundo a imprensa da capital.

 O treinador deve estar exclusivamente focado nos objetivos traçados, e não ter de sujeitar-se ao desgaste de denunciar situações que deverão ser abordadas por outros. Por exemplo pelo departamento de comunicação do Clube ou outros canais que se julguem adequados, apenas em última instância essa responsabilidade deve ser atribuída ao treinador. 

A iniciativa do boletim informativo digital “Dragões Diário” é interessante, inteligente e pertinente mas não chega, outras soluções deverão ser pensadas e testadas.

Sobre a pré-época do Clube foi felizmente possível ver muitas coisas positivas, nota-se que há mais soluções que na época passada, mas são necessárias ainda muitas “afinações na máquina” em especial nos processos ofensivos, falta mais presença na área, criar mais oportunidades de golo e aumentar a eficácia na finalização. 

Continua a ser aborrecido ver o futebol mastigado de passe para o lado e para trás, com raros rasgos de criatividade, embora seja notório que a equipa cria mais oportunidades de golo do que no passado. A “obsessão” pela posse de bola não serve para nada se não conduzir à vitória, a “mente e os olhos” dos atletas devem estar sempre focados na baliza adversária, deve também perder-se o medo de tentar com mais frequência remates de fora da área. 

É fundamental recuperar a capacidade que o FC Porto tinha no passado de “encostar os adversários às cordas” não os deixando respirar no Dragão (e idealmente em campo algum), para evitar dissabores e perdas de pontos comprometedoras, especialmente frente a adversários menos cotados interessados apenas em defender.

Quem teve o privilégio de ver as grandes equipas que o FC Porto teve nos anos 80 e 90, assim como nos anos dourados posteriores a esses com o José Mourinho e André Villas Boas, percebe o que o parágrafo anterior quer dizer. 

Simplesmente é necessário recuperar o ADN do que é ser Porto e jogar à Porto, em que a pele era sempre deixada em campo e os atletas lutavam até à última gota de suor.

Os lances de bola parada devem também ser trabalhados até à exaustão, pois tem sido algo de que o FC Porto não tem praticamente sabido aproveitar no último par de anos. 

Como infelizmente andamos com “o coração na mão” até ao fecho da janela de transferências neste mês de Agosto, ainda é prematuro avaliar se o plantel com que vamos competir é suficiente, aparentemente não o é no momento. Faltam pelo menos um médio criativo e um central com condições de ser titular no imediato. 

Veremos se a SAD decide contratar mais alguém, enoja-me esta novela rasca criada em torno do brasileiro Lucas Lima, que tem produzido declarações extremamente indelicadas, arrogantes e desbocadas, quando devia estar orgulhoso por despertar o interesse de um grande Clube europeu que já ganhou tudo o que havia para ganhar!

Pessoas com esse tipo de mentalidade e atitudes como Lucas Lima demonstrou não interessam ao FC Porto, se um atleta não demonstra logo no início entusiasmo, respeito e excitação com a hipótese de poder jogar no FC Porto então é um claro sinal que não tem estofo para vingar neste mágico Clube.

Não posso deixar de manifestar o meu desagrado pelas declarações pouco elegantes do nosso Presidente Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa, em que afirmou algo como isto “Qual é o clube que não preferia ter o Casillas em vez de ter o Fabiano e o Andrés Fernández?”.
Ficou-lhe mal, enxovalhou os nossos ex-guarda-redes que deram sempre o seu melhor e foram sempre grandes profissionais. Se não têm valor para jogar no FC Porto a culpa não é deles é de quem os contratou. Haviam outras formas mais diplomáticas que permitiriam ao Presidente manifestar o seu regozijo pela contratação do histórico guardião Iker Casillas.

Acredito que não o fez por mal, mas com o cargo e a responsabilidade que tem deve saber medir e escolher melhor as palavras que usa em entrevistas ou declarações públicas.

Termino desejando as maiores felicidades ao FC Porto na sua estreia em competições oficiais já este fim-de-semana, alertando novamente que teremos de ser muito competentes e inteligentes neste jogo. 

Um campeonato nunca é ganho ou perdido na primeira jornada, mas precisamos de tranquilidade e de ganhar confiança, e nada melhor que entrar bem ganhando, e continuar nessa senda do êxito. Não é desejável que seja criado um clima de desconfiança e pressão desnecessária logo no início das “festividades”.


 
FC Porto a vencer desde 1893!
A Chama do Dragão é Eterna!
FC Porto sempre!
   


Por: BluePunisher
Enviar um comentário
>