quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Campeonato Nacional de Iniciados: FC Porto 6 - Boavista 0


Um jogo entre Porto e Boavista seja em que escalão é sempre um jogo interessante de seguir face há rivalidade existente entre os dois clubes.

Neste escalão e face ao poderio até agora mostrado pela equipa de sub-15 não se adivinhavam grandes dificuldades para vencer o Boavista.

E como vem sendo hábito marcar muitos golos ás equipas que vão ao Olival, logo aos 5 minutos numa excelente jogada com uma assistência perfeita de Luis Mata para um dos melhores marcadores da equipa, apesar de ser médio, João Gonçalo de cabeça marca o primeiro golo.





Aos 14 minutos de jogo, numa jogada disputada no meio campo em que Leandro levanta o pé e atinge sem qualquer intenção o defesa contrário que baixou a cabeça numa tentativa de ganhar a bola teve como consequência o protagonismo do vaidoso árbitro Ivan Vigário.
Uma pequena mazela que não teve qualquer consequência para o jovem do Boavista a não ser um susto de sentir uma bota na cabeça eis que o Vigário do apito vai ao seu baú de estupidez e mostra o cartão vermelho directo a Leandro.

A partir daqui poder-se ia pensar que o jogo iria ficar estragado mas os meninos do Porto e do bessa mostraram a esse Vigário que estavam ali apenas para fazerem aquilo que gostam que é jogar futebol. Não houve de parte a parte qualquer picardia que ás vezes essas decisões provocam nos injustiçados com resposta também sempre pronta dos opositores. Mas estes miúdos deram uma lição a esse aspirante a árbitro de futebol e aos próprios pais que estavam nas bancadas.

Mas como um mal nunca vem só o aspirante quis de novo ser mais uma vez o artista do jogo. Num cruzamento para a área do Porto o avançado do Boavista cabeceia, com Gabriel a sair mal da baliza, mas a bola sai ligeiramente ao lado. Uma cabeçada normal e reacção normal dos miúdos do bessa em regressar ao seu meio-campo desolados pela não marcação do golo.

Como disse antes o aspirante quis ser de novo protagonista e eis que marca... um penalty. Inacreditável até para os miúdos do bessa.
O treinador Folha como consequência dos seus mais que justificados protestos é expulso. Sem qualquer dúvida a A.F.Porto tem de ter também observadores para analisar estes aspirantes a árbitros de futebol. Até final da primeira parte continuou o Porto a comandar as operações e o segundo golo chegou com toda a naturalidade e nasce de um livre directo marcado pelo pequeno grande jogador Paulinho (um nome fácil para fixar), o guarda-redes do bessa tem uma saída em falso e com a bola a entrar directamente é o central Sandro que em cima da linha toca na bola.

Na segunda parte o Boavista ainda tentou mas sem qualquer perigo chegar ao golo para poder, visto que estava a jogar contra 10, de novo discutir o jogo.
Mas uma substituição, ao intervalo, muito bem vista por Folha, tirando Paulinho e colocando Camará deu há equipa mais força e velocidade. Camará entrou muito bem no jogo e foi mantendo os centrais do Boavista sempre em sentido.
Aliada a esta boa substituição de Folha os extremos Luis Mata e Bruno Costa (os melhores em campo) não deixavam o ultimo reduto do Boavista sossegado.
A equipa ora ia trocando a bola de pé para pé ora com Mata ou Bruno nas iniciativas de jogadas de ataque ia criando oportunidades de golo umas a seguir ás outras. O quinto golo é desse um bom exemplo em que Bruno Costa fez o que quis dos adversários e ofereceu a Mata a possibilidade do golpe final. Mas Camará ainda teve tempo e engenho para fazer um merecido golo.

Vitória justíssima de uma equipa que jogou desde os 14 minutos de jogo reduzida a 10 unidades.

No Boavista merece também destaque Mesquita que ainda foi dando que fazer há defesa portista.


Ficha do Jogo:


Local: Centro de Treinos do Olival (Gaia)

Árbitro: Ivan Vigário (Porto)

FC. Porto: Gabriel; Francisco, Sandro Fonseca, Jorge e Ruben Barbosa; Varejão, Bruno Costa (João Bernardo, 63), João Gonçalo, (Fernando, 60) e Paulo Alves (Camará, int.); Leandro e Luís Mata.

Treinador: António Folha

Boavista: Nico; Hugo, Baldaia, Léo e Gonçalo (Diogo, 55); Nuno (João Oliveira, 54), Organista (Vítor, int.), Ricardinho (Paulinho, int.), Mabílio, Sousa e Mesquita.

Treinador: Miguel Aguiar.

Ao intervalo: 2-0. Golos: João Gonçalo (5, 52), Sandro (33), Luís Mata (40, 56)) e Camará (67).

Cartões amarelos: Varejão (14), Hugo (29), Bruno Costa (45)).

Cartões vermelhos: Leandro (14) e António Folha (treinador do F. C. Porto)

Por: Juary




Enviar um comentário
>