segunda-feira, 28 de novembro de 2011

A Lição que veio de Coimbra

A Lição que veio de Coimbra

Há bem pouco tempo o FCP foi justamente e com muito pena nossa eliminado da Taça de Portugal em Coimbra não podendo por esta razão defender o título conquistado no ano anterior, com uma exibição que nos deixou a todos nós portistas de coração, um pouco revoltados e desolados com a forma como a equipa se apresentou em jogo, denotando uma estranha apatia de todos os seus jogadores, sem brio e sem chama a que não estavamos habituados há bastante tempo.

Logo após este desaire os vários órgãos de comunicação social do costume, a que eu não vou enunciar aqui pela simples razão que não merecem que se faça qualquer tipo de publicidade aos seus ignóbeis representantes, antes pelo contrário devemos sim saber responder com firmeza e com vitórias, começaram logo a lançar farpas traiçoeiras no sentido de tentar destabilizar o FCP, e com isso tentar desunir o seio do clube e a sua equipa técnica, só que mais uma vez para mal dos seus pecados, vieram ao encontro de uma estrutura clubista forte e já experiente nestas velhas técnicas de artimanhas doentias e fanáticas de atacar o FCP na sua dignidade e historial do melhor clube português da atualidade, mesmo que isso doa a quem doer por ser a verdade nua e crua.

Todavia, e tendo em conta a postura da equipa em termos exibicionais não podemos dizer claramente que estamos satisfeitos com a atuação da nossa equipa, pois não será certamente esta a matriz habitual do nosso estilo de jogo, apesar de ainda continuarmos em primeiro por direito próprio, o problema é que quanto a mim ainda estamos bastante distantes da forma do ano passado, sendo sempre discutível a opção do Hulk como ponta de lança em detrimento de um jogador para aquele lugar, que todos nós já entendemos que neste momento não existe no plantel, perdendo-se desta forma um extremo de categoria muito acima da média, para além da contínua opção do Maicon como lateral direito, quando, apesar do seu empenhamento e utilidade, é também claro que não tem o perfil desejado para aquela posição, tendo em conta o estilo de jogo que o FCP tem patenteado em termos da subida dos seus laterais, como peças importantes na orgânica da equipa na fase ofensiva.

No entanto, a lição que levamos em Coimbra, ao contrário do que se poderia pensar, não foi ministrada por um grupo de “estudantes” vestidos de negro, foi sim dada e orquestrada pelo nosso mestre, mentor e eterno presidente, JNPC, que com a sua mestria e indiscutível classe que só ele é capaz de colocar em prática, por ser o melhor e o mais antigo presidente de clubes por esse mundo fora, conseguiu como um passe de magia bem ao jeito da assertiva técnica do coaching, catapultar a equipa para uma fase de melhoria evidente e de confiança nas suas próprias capacidades, o que por vezes só vem provar que uma lição bem dada e bem escutada, pode ser muito melhor do que mil treinos bem esquematizados ou orientados.

PS. – Aqui virei em breve com um conjunto de propostas para melhorar o futebol e colocar à colação dos leitores deste painel.

Por: Natachas
Enviar um comentário
>